Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Presidente da Assembleia Legislativa do Rio rebate declaração de Witzel

Segundo André Ceciliano, governador afastado o acusa sem provas; ex-juiz federal chamou petista de "líder da quadrilha" responsável pela corrupção na estado

Por Cássio Bruno 23 abr 2021, 19h17

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano (PT), respondeu ao governador afastado Wilson Witzel (PSC). Em entrevista exclusiva a VEJA publicada nesta sexta-feira, 23, Witzel chamou Ceciliano de “chefe da quadrilha” responsável por desviar milhões de reais dos cofres do Governo do estado. Em nota, o petista disse que Witzel “tem o direito de espernear”. “Entendo a mágoa que ele nutre contra mim, o que explica essas acusações sem provas. Mas a verdade é que ele teve o destino que ele mesmo cavou, através das relações que alimentou, envolvendo até mesmo a esposa em seus desatinos”, escreveu Ceciliano.

Witzel é réu no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por corrupção e lavagem de dinheiro e enfrenta também um processo de impeachment no Tribunal Especial Misto, formado por desembargadores e deputados. Ele é suspeito de ter recebido 554,2 mil reais em propinas, por intermédio do escritório de advocacia de sua mulher, Helena Witzel. O casal sempre negou qualquer irregularidade. Witzel e Helena foram alvos da Operação Tris In Idem, desencadeada pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal. A Procuradoria-Geral da República (PGR) apontou Witzel como o “líder da organização criminosa” porque ele teria estabelecido um esquema de propina na contratação de hospitais de campanha, respiradores e medicamentos destinados ao combate à pandemia do novo coronavírus.

A VEJA, Witzel classificou Ceciliano como o novo capo – o chefão das máfias italianas – do Rio. “Quem estava organizando essa ação criminosa na Saúde não era eu, mas, na minha visão, o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, o André Ceciliano. “O (ex) secretário (de Saúde) Edmar Santos foi à Alerj sem convite oficial e sem o meu conhecimento. Em depoimento, o Edson Torres (empresário preso sob acusação de envolvimento no esquema) diz que Ceciliano lhe pediu para que ele apresentasse ao Edmar outro empresário, o José Carlos Melo (identificado na investigação como o “homem do dinheiro” da quadrilha, também preso). José Carlos receberia contratos na Saúde e em troca, garantiu que ajudaria a pagar a mesada de dez ou doze deputados. O Edmar esteve até na casa do José Carlos. Está tudo nos autos do processo”, ressaltou Witzel. E completou: “Alguém orientou o Edmar Santos a fazer aquela delação (premiada). Ceciliano precisa ser investigado por tudo o que já apareceu. Por que só eu estou na mira do canhão?”

No fim da nota, Ceciliano ironizou o governador afastado: “Wilson Witzel não será apenas o primeiro governador cassado do Brasil. Ele será lembrado também como o mais biruta de toda a história, que mandou confeccionar uma faixa de governador para se sentir um imperador”.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.