Clique e assine a partir de 9,90/mês

Livre há três meses, Lula cria atritos com aliados e aprisiona a esquerda

Ex-presidente coloca seus interesses pessoais e os do PT acima da tentativa de formação de uma frente ampla de oposição a Bolsonaro

Por Edoardo Ghirotto, Eduardo Gonçalves e Nonato Viegas - Atualizado em 7 fev 2020, 10h03 - Publicado em 7 fev 2020, 06h00

“Se Lula for para a cadeia, o país vai pegar fogo.” “Quando Lula for solto, vai incendiar as massas.” Ditas e repetidas por aí, as frases apocalípticas acima não se materializaram. A mobilização em torno da prisão do ex-presidente decepcionou quem aguardava uma revolução. Sua libertação tampouco provocou o barulho esperado. Depois de amargar 580 dias na carceragem, na volta às ruas, o petista desancou o atual governo, repisou o mantra de que é vítima de um complô das elites e jurou mais uma vez vingança a Sergio Moro, o responsável por sua condenação. Fora os aplausos da claque dos convertidos, os discursos caíram no vazio. No trabalho de articulação política, Lula agora mais desagrega do que une. Antigos aliados reclamam da insistência em priorizar interesses pessoais e os do PT como condição para formar uma frente de oposição a Jair Bolsonaro. Até mesmo dentro da sigla começaram a surgir vozes dissonantes, o que era impensável alguns anos atrás. Resultado: o Lula livre aprisiona hoje a esquerda em uma encruzilhada de difícil solução.

QUARENTA ANOS DEPOIS… – Grupo fundador do PT: promessas de um novo padrão ético no poder público ficaram para trás Carlos Namba/Dedoc

Explica-se o dilema: de fato, o ex-­presidente ainda é o nome mais forte da oposição, conforme mostram as pesquisas. A questão é que ele está impedido de concorrer nas eleições em razão da Lei da Ficha Limpa, após ser condenado duas vezes em segunda instância no caso do tríplex do Guarujá e no do sítio de Atibaia. Para voltar ao jogo, o petista depende de uma improvável pirueta jurídica do Supremo Tribunal Federal (STF). Além disso, mesmo que concorra, Lula sofre um profundo desgaste de sua imagem. Um nome diferente poderia se beneficiar de sua força sem ser abalado por seus defeitos. Mas nem Lula nem o PT estão preparados para um movimento nessa direção.

Desde a fundação do partido, o ex-metalúrgico sempre impediu o crescimento de outras lideranças que fossem capazes de rivalizar com ele. Sua prisão, em abril de 2018, deu a alguns petistas e a integrantes de partidos aliados a esperança de que haveria enfim uma lufada de renovação, com a ascensão de outros nomes e, assim, novas alternativas de poder. Tanto que, no ano passado, líderes do PT, PCdoB, PDT, PSB e PSOL se reuniram seis vezes com o objetivo de construir uma pauta comum e formar uma ampla frente de oposição ao governo Bolsonaro, a qual poderia ser o embrião de uma aliança para a sucessão de 2022. Com a libertação de Lula, em novembro último, esperava-se que essas negociações ganhassem corpo e que o ex-presidente, condenado a quase 26 anos de cadeia e inelegível, ajudasse na costura dos acordos.

DE VOLTA ÀS RUAS – Lula ao sair da prisão: mobilização popular tímida depois de 580 dias na carceragem em Curitiba Ricardo Stuckert/.

Ledo engano. Lula não tem a intenção de abrir mão do cetro da esquerda. “Num momento em que a democracia precisa ser fortalecida, o PT e o Lula estão preocupados em defender o seu legado, a sua história e a sua biografia. Isso mostra a pequenez da visão estratégica de nação que o PT tem”, critica o presidente do PDT, Carlos Lupi, que foi ministro nos governos de Lula e de Dilma Rousseff. Na eleição passada, o PDT lançou Ciro Gomes à Presidência. Na ocasião, até mesmo petistas defendiam, reservadamente, a ideia de que o PT apoiasse o nome do pedetista, já que Lula estava impedido de concorrer e preso. Alguns encontros de importantes lideranças foram feitos com esse objetivo, mas o ex-presidente desautorizou essa articulação e se manteve no páreo até ser substituído como candidato pelo ex-prefeito Fernando Haddad. No segundo turno, mordido pela falta de cooperação, Ciro Gomes se recusou a trabalhar por Haddad, que acabou derrotado por Bolsonaro. A relação do ex-presidente com os outros aliados da esquerda também está estremecida. PSB, PSOL e companhia continuam a se reunir, mas agora sem a presença do PT. O motivo é o mesmo: a insistência de Lula em submeter o campo esquerdista à sua sobrevivência individual. “É um direito dele, mas ninguém de fora do PT vai fazer uma defesa apaixonada deles”, diz o presidente do PSB, Carlos Siqueira.

Continua após a publicidade
LULA LIVRE – O ex-presidente com Janja: salário do PT e planos de casamento Ricardo Stuckert/PT

Entre os partidos de esquerda, muitos também protagonistas de escândalos de corrupção, é cada vez mais cristalina a percepção de que esse campo ideológico precisa fazer um mea-culpa e se reformar. Mea-culpa sobre os desvios bilionários na Petrobras e em outros casos e até sobre a incapacidade de, por meio de reformas estruturais, modernizar o Estado brasileiro. “Temos de compreender o nosso papel na crise econômica e na crise política de representatividade. Não se fez a reforma administrativa, não se fez a reforma tributária, não se fez uma reforma do sistema político, e os desgastes foram se acumulando a ponto de chegarmos aonde chegamos. Se não admitirmos que temos responsabilidade sobre a crise, não sairemos do lugar”, declara Siqueira. Em conversas reservadas, até mesmo petistas concordam com a necessidade dessa posição. O problema é o medo de fazê-lo em público e se tornar alvo de Lula. Sob a proteção do anonimato, um deputado do PT disse a VEJA que o ex-presidente sufoca o partido e impede a costura de uma aliança ampla de esquerda. “Há muitos pontos de contato e concordância para a formação de uma grande aliança, mas há um ponto que só o PT está disposto a defender: Lula.”

PUXÃO DE ORELHA – Rui Costa: críticas ao comportamento do partido geraram forte reação da direção nacional Mauro Akiin Nassor/Fotoarena

Um dos indicadores de que essa estratégia tem sido equivocada serão as eleições municipais deste ano. O PT corre contra o relógio para superar desavenças internas e encontrar o mínimo de coesão a tempo de disputar o pleito de outubro de forma competitiva. Em 2016, o partido recebeu mais de 10 milhões de votos a menos do que em 2012 e encolheu de 638 para 256 prefeituras. Na principal capital do país, São Paulo, o PT hoje tem sete pré-candidatos, mas Lula sonha com Fernando Haddad, que se recusa a participar da disputa. Ou seja: mais uma vez, Lula quer impor sua vontade contra a da maioria (e até a do próprio indicado). Imbróglio maior ocorre no Recife — curiosamente, a primeira viagem em que Lula discursou após sair da prisão. Na eleição de 2018, o ex-­presidente ignorou os diretórios locais e impediu a deputada Marília Arraes de concorrer ao governo pernambucano para conseguir a neutralidade do PSB, do governador Paulo Câmara, no primeiro turno presidencial de Fernando Haddad. Desta vez, ao contrário do que defendem as instâncias municipal e estadual, Lula anunciou que Marília será sua candidata à prefeitura do Recife, rompendo a aliança com os socialistas, que lançarão João Campos — outro político da família do ex-governador Miguel Arraes. Em uma reunião recente, o senador Humberto Costa (PT-PE) se exaltou e discutiu feio com Marília diante de Lula. “Devemos trabalhar para que a eleição de 2020 seja nacionalizada e priorizar a união da esquerda”, diz Costa.

EM ASCENSÃO – Flávio Dino: potencial candidato à Presidência em 2022 Albani Ramos/Folhapress

Aos poucos, as vozes dissonantes ao comando centralizador de Lula começam a ganhar volume — e corpo. Tido como um dos principais defensores de que o PT deve abrir mão de candidaturas próprias em prol de um projeto de frente ampla, o ex-governador Tarso Genro se debruçou nos últimos dois anos sobre projetos de alianças no Rio de Janeiro e em Porto Alegre. Em 1998, embalado por uma boa administração na prefeitura de Porto Alegre, Genro esboçou o desejo de uma candidatura presidencial. Foi torpedeado por Lula e seguidores antes de fazer qualquer movimento. No seu esforço atual, tem sido mais bem-sucedido. O PT avançou em conversações para apoiar o fluminense Marcelo Freixo (PSOL) e a gaúcha Manuela d’Ávila (PCdoB). Ambos garantem que as negociações já partiram para questões programáticas, mas Lula fez correr nos bastidores que a parceria só será firmada se os dois partidos declararem apoio ao PT em São Paulo com a retirada de suas pré-candidaturas. “Se agirem assim, será um erro burocrático brutal. Mais um”, critica Tarso Genro.

INDEFINIÇÃO – Fernando Haddad: pressão para disputar a prefeitura de São Paulo Ricardo Stuckert/PT

Ao expor sua opinião de forma clara, Genro se arrisca a levar (mais) um pito do chefe. A reação foi dura na última vez em que um petista resolveu esboçar uma liderança desgarrada das diretrizes lulistas. No ano passado, o governador da Bahia, Rui Costa, declarou nas Páginas Amarelas de VEJA que o PT precisava apresentar propostas para o campo da segurança pública e não deveria condicionar alianças políticas à defesa do “Lula livre”. Dois dias após a entrevista, a direção nacional emitiu uma nota em que rebatia, resposta por resposta, a entrevista do governador. Nos bastidores, fiel ao seu estilo sedutor, Lula tem dito a Rui Costa e ao governador cearense Camilo Santana que eles poderão ser os cabeças de chapa da sigla em 2022. O mesmo discurso foi feito em conversas privadas com o maranhense Flávio Dino, do PCdoB. Mas pessoas próximas aos governadores afirmam que eles têm consciência de que dificilmente estarão entre os preferidos do ex-presidente até a próxima eleição. No entendimento deles, essa seria uma prática comum de Lula — para dar esperança, não se indispor com ninguém e confundir a todos. Dino, aliás, é uma estrela em ascensão no campo da esquerda. Hoje ele sonha em liderar o projeto de renovação da esquerda e destronar Lula (tarefa nada fácil). Trazido ao ringue político ao ser ofendido de forma xenófoba por Bolsonaro, como o pior “daqueles governadores de paraíba”, ele tem procurado costurar um leque de alianças que vão até a centro-direita. Já se reuniu com os ex-presidentes José Sarney e Fernando Henrique Cardoso e com o apresentador Luciano Huck, outro apontado como potencial presidenciável. Recentemente, interlocutores de Lula e de Gleisi Hoffmann, a atual presidente do PT, vazaram à imprensa a informação falsa de que Dino teria sido convidado por Lula a entrar na sigla para ser o candidato em 2022. A manobra foi apenas para mandar um recado a Haddad: ele não é o único nome disponível para concorrer ao Palácio do Planalto.

Continua após a publicidade
CRÍTICO – Ciro Gomes: o principal antagonista de esquerda a Lula Cristiano Mariz/VEJA

Em meio a tantas indefinições, há pelo menos uma coisa certa no PT: o partido está em plena campanha para tentar se reaproximar do eleitorado evangélico, responsável em grande parte pela eleição de Bolsonaro e pela manutenção de sua popularidade. A deputada Benedita da Silva e o ex-ministro Gilberto Carvalho estão escalados para a missão. Disciplinadamente, Carvalho vem montando núcleos de “evangélicos progressistas” espalhados pelos estados e tem organizado uma estratégia digital voltada para grupos religiosos. “O objetivo é produzir material de vídeo e ações on-line para romper as fake news de que não nos identificamos com os princípios cristãos”, disse ele a VEJA. O trabalho envolve ainda a TVT, ligada à CUT, que passou a veicular desde o fim de 2019 um programa evangélico aos sábados. Uma vertente majoritária do partido defende a tese de que, além de evitar provocações ao governo, a sigla deve priorizar pautas socioeconômicas em detrimento de causas de minorias, como as do movimento LGBT. “É preciso tratar de fome e emprego antes de entrar exclusivamente na questão identitária”, diz Washington Quaquá, vice­-presidente nacional do partido.

ALIANÇA EM VISTA – Marcelo Freixo: apoio condicionado a exigências do PT Claudia Martini/Futura Press

A dificuldade de encontrar o discurso certo de oposição e de achar novas lideranças não é um problema apenas da esquerda brasileira. Ao redor do mundo, outras legendas mais identificadas com esse campo perdem espaço e seguidores. “As forças progressistas não conseguem propor projetos alternativos porque estão muito calcadas em estruturas sindicais e partidárias. Trata-se de um modelo antigo e ultrapassado de democracia representativa, que hoje se expressa de maneira mais dinâmica e fluida”, afirma o historiador Daniel Reis. Guardadas as devidas proporções, o Partido Democrata dos Estados Unidos (que não é de esquerda, mas progressista) enfrenta dilema semelhante para descobrir o nome certo para evitar a reeleição de Donald Trump (leia a reportagem). A juventude da sigla deposita suas esperanças no senador socialista Bernie Sanders, que está com 78 anos e já sofreu um infarto durante a campanha. A questão: suas propostas não são viáveis, assim como sua candidatura (caso se confirme), num país que é considerado a pátria do capitalismo moderno.

MISSÃO – Benedita da Silva: encarregada de fazer contatos com os evangélicos Cristiano Mariz/VEJA

Aos 74 anos, Lula hoje não tem o mesmo vigor que tinha na época em que percorria o país em caravanas e greves. Tem dividido o tempo entre as reuniões partidárias e o romance com a nova namorada, Rosângela da Silva. Recentemente, passou a ser remunerado pelo PT por estar com as contas bloqueadas pela Justiça e utiliza agora um aparelho auditivo para ouvir melhor. No sábado 8, será a principal estrela no evento de comemoração dos quarenta anos do PT no Rio de Janeiro. Quando nasceu para fazer oposição ao regime militar, a sigla representava a vanguarda política e prometia trazer diferentes padrões de ética ao governo. Acabou protagonista de vergonhas nacionais como o mensalão e o petrolão. Um dos convidados para a festa petista é o ex­-presidente do Uruguai Pepe Mujica. Aos 84 anos, ele divide com Lula o posto de maior ícone da esquerda latino-­americana. Num de seus discursos mais célebres, em um evento da esquerda em 2015, Mujica disse que “os melhores líderes são aqueles que, quando se vão, deixam no lugar pessoas que os superam com folga”. Lula está longe de acatar a sabedoria do amigo. Ele ainda nutre o sonho de concorrer à Presidência, o que seria possível apenas se derrubasse suas condenações judiciais e a inelegibilidade. As chances de isso ocorrer são mínimas, mas o ex-presidente quer toda a esquerda de joelhos enquanto não há palavra definitiva sobre seus recursos. Como agora existe resistência a esse hegemonismo, a esquerda caminha para disputar a eleição dividida — e fragilizada. “Lula sabe o que está fazendo”, diz o petista Washington Quaquá. Carlos Lupi, do PDT, discorda: “A história cobrará caro de Lula”. A esquerda ainda não percebeu, mas a conta já chegou.

Continua após a publicidade

Com reportagem de André Siqueira e João Pedroso de Campos

Publicado em VEJA de 12 de fevereiro de 2020, edição nº 2673

Publicidade