Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pedido de liberdade foi feito 32 minutos após início de plantão

Decisão de mandar soltar ex-presidente detonou guerra de despachos entre plantonista, Sergio Moro e relator de ação no TRF4

O pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) autorizado pelo desembargador Rogério Favreto foi apresentado 32 minutos depois de o magistrado assumir o plantão judiciário do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Conforme as regras do TRF4, com o plantão em vigor, o pedido só poderia ser distribuído para Favreto, e não para o relator do processo de Lula no TRF4, o desembargador João Pedro Gebran Neto.

Na manhã deste domingo, às 9h05, Favreto determinou a soltura de Lula. Entre as justificativas, ele aponta como novidade a justificar a decisão o fato de Lula se colocar como pré-candidato à Presidência nas eleições de 2018. Para ele, os pedidos de participação em eventos de debates políticos, “ensejam verificar a procedência de sua plena liberdade a fim de cumprir o desiderato maior de participação efetiva no processo democrático.”

Três horas depois, o juiz Sergio Moro, que condenou Lula, apontou que o desembargador plantonista não tinha competência para esta decisão e consultou o desembargador Gebran Neto, relator no TRF4 para saber como proceder. “Se o julgador ou a autoridade policial cumprir a decisão da autoridade absolutamente incompetente, estará, concomitantemente, descumprindo a ordem de prisão exarada pelo competente Colegiado da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.”

O desembargador Favreto reiterou sua ordem minutos depois, sob pena de responsabilização caso não fosse cumprida. “Registro ainda, que sem adentrar na funcionalidade interna da Polícia Federal, o cumprimento do Alvará de Soltura não requer maiores dificuldades e deve ser efetivado por qualquer agente federal que estiver na atividade plantonista, não havendo necessidade da presença de delegado local”.

Na sequência, o desembargador Gebran Neto, em resposta ao despacho de Moro, determinou que a ordem para soltar Lula não fosse cumprida. “Para evitar maior tumulto para a tramitação deste habeas corpus, até porque a decisão proferida em caráter de plantão poderia ser revista por mim, juiz natural para este processo, em qualquer momento, determino que a autoridade coatora e a Polícia Federal do Paraná se abstenham de praticar qualquer ato que modifique a decisão colegiada da 8ª Turma”, escreveu.

Na sequência, em nova decisão, Favreto reiterou suas manifestações anteriores e determinou uma vez mais que Lula fosse solto. Ele disse que é o responsável pela Corte durante o plantão e que não é subordinado a Gebran. “Não há qualquer subordinação do signatário a outro colega, mas apenas das decisões às instâncias judiciais superiores, respeitada a convivência harmoniosa das divergências de compreensão e fundamentação das decisões, pois não estamos em regime político e nem judicial de exceção”, disse o desembargador, dando uma hora para o cumprimento de sua ordem — que se encerrou às 17h12 deste domingo.

Enquanto os dois desembargadores mediam forças, a Procuradoria Regional da República da 4ª Região (PRR4), braço do Ministério Público para os processos no TRF4 protocolou um mandado de segurança distribuído ao presidente da corte, o desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores, que decidiu manter Lula preso. Ele deu razão ao relator Gebran Neto e afirmou que Favreto não tinha competência para decidir sobre a liberdade de Lula porque este pedido já havia sido analisado — e negado — pela corte.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Osmar Serrragem

    Eat a camarada deveria ser preso também. E ficar na cela ao lado de seu amigo.

    Curtir

  2. Fernando Mello

    E quem vai pagar a conta dessa movimentação toda?
    Não deveria ser a parte perdedora?
    A única esperança de os petistas voltarem ao poder é ter Lula solto na campanha.
    Então vale tudo, inclusive esse golpe baixo às surdinas do plantão através de um desembargador comprometido com o partido.

    Curtir

  3. Social Democrata

    Resumindo, já estava tudo armado. É preciso apurar a fundo esse caso. Muito estranho.

    Curtir

  4. Um roteiro de “resgate” bem planejado que fez roteiristas de Hollywood amadores. E o Noblat dando uma de ingênuo. Bota ingênuo nisso.

    Curtir

  5. O desembargador se prestou a esse vexame. E nem vermelho ficou. Exige-se apuração imediata de responbalidades, não é possível que um desembargador não conheça o Regimento Interno.

    Curtir

  6. Osmar Serrragem

    Estava um plantão entediante, aí ele resolveu tacar fogo no país, para se distrair…Estes os “patriotas” com quem contamos…

    Curtir

  7. Osmar Serrragem

    Fred, você tem toda a razão. “Operação Resgate”. So faltou um helicóptero e o iate para a Venezuela, lembram-se?

    Curtir

  8. Osmar Serrragem

    O Povo Brasileiro que se prepare. O PT mostrou o que pretende – virar a mesa – se confirmado que ira PERDER nas urnas. Lembrem–se do que dis is a Dilma: Faria TUDO para nao perder, usando todas as baixarias possiveis.

    Curtir

  9. Na Venezuela, o comunismo consegui se blindar com o judiciário, e a nação está destruída. Os cidadãos de bem estão subjugados. No Brasil, alguns Juízes trabalham com a campanha camiseta petista sob a toga, mas pelo menos, aqui os cidadãos ainda conseguem reagir. Do contrário, a única saída seria o aeroporto, o que os Venezuelanos se obrigaram a fazer

    Curtir