Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Peças de helicóptero que caiu e matou filho de Alckmin estavam desconectadas

Aeronáutica diz que dispositivos eram 'fundamentais para controle de voo' e que danos nas pás, rotor e motores foram consequências da queda – não a causa

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 02h12 - Publicado em 3 jun 2015, 08h07

A Aeronáutica informou que dois controles fundamentais do helicóptero que caiu e matou cinco tripulantes no dia 2 de abril, entre eles Thomaz Alckmin, filho caçula do governador Geraldo Alckmin (PSDB), estavam desconectados durante o voo. A aeronave PP-LLS havia passado por uma manutenção no pátio da Helipark e caiu em Carapicuíba (SP) logo após decolar para testes.

Em nota divulgada nesta terça-feira, a Força Aérea afirmou que os “controles flexíveis (ball type) e alavancas (bellcranck), dois componentes fundamentais para o piloto controlar a aeronave, estavam desconectados antes da decolagem e permaneceram assim durante todo o voo e a queda”. A informação foi detectada pela análise dos destroços.

Leia também:

Primeira reação de Alckmin foi negar morte de filho caçula

Continua após a publicidade

Alckmin fala sobre a morte do filho: ‘É uma dor sem limite’

Lu Alckmin fala pela primeira vez sobre a morte do filho

Segundo Aeronáutica, os danos encontrados nos motores, de transmissão principal e de cauda, nas pás do rotor principal e de cauda e nos demais componentes foram consequências do acidente e a causa da queda.

O relatório preliminar da Aeronáutica informa que componentes eletrônicos do PP-LLS ainda estão em análise e que, por enquanto, não é possível determinar todas as causas do acidente. Além disso, segundo a Aeronáutica, as evidências encontradas mostram que o comandante Carlos Esquerdo, uma das vítimas, pilotou o helicóptero durante todo o período do voo. O filho do governador, também piloto profissional de aeronaves diferentes, estaria na posição de copiloto, que permite o controle da aeronave.

Continua após a publicidade

Crítica – A empresa de manutenção Helipark levantou dúvidas sobre o relatório da Aeronáutica. Em nota, a Helipark afirmou que “causa estranheza” a Força Aérea Brasileira (FAB) fazer afirmações sobre o acidente antes de concluir a investigação. A empresa questionou: “se os controles flexíveis e alavancas são fundamentais, como afirmar que o helicóptero decolou e voou mesmo com os componentes desconectados?”. A Helipark diz que o reparo nas pás é de responsabilidade da Helibras (fabricante do modelo) e que, pelas regras de voo, Thomaz Alckmin não poderia estar no helicóptero.

A Helibras disse que é “a maior interessada no esclarecimento das causas do acidente”, mas que, “por questões éticas e legais”, não se manifestaria porque a investigação não é conclusiva. A empresa dona do helicóptero, Seripatri, disse que não se manifestaria.

O conselheiro da Associação Brasileira de Pilotos de Helicóptero (Abraphe) Rodrigo Duarte disse que seria praticamente impossível a aeronave ter levantado voo sem as duas peças descritas como fundamentais pela FAB. “É uma condição realmente muito complexa de voo. Você tem tudo bem montado e harmonicamente balanceado e, se tira qualquer um dos componentes que fazem parte desse conjunto, o helicóptero simplesmente perde o equilíbrio. É como um carro com a barra de direção quebrada.”

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.