Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

PCdoB lança Manuela D’Ávila como candidata à Presidência

Comunistas, que prometem tentar união da esquerda 'até o último instante', oficializaram deputada como sua primeira candidata após a redemocratização

Por Guilherme Venaglia Atualizado em 1 ago 2018, 18h34 - Publicado em 1 ago 2018, 15h56

O PCdoB lançou a candidatura de Manuela D’Ávila à Presidência da República durante a convenção nacional do partido, em Brasília, nesta quarta-feira (1º). O encontro foi marcado pelo discurso de que, apesar de estar disposta a caminhar em voo-solo, a legenda tentará a união da esquerda “até o último instante” – ou seja, até o final das convenções partidárias, no domingo. Ao longo desse período, os comunistas ainda poderão rever a decisão caso haja um improvável acordo com PT, PDT, PSB e PSOL.

Seguindo na disputa, Manuela será a primeira candidata própria do PCdoB à Presidência desde a redemocratização. Em todas as últimas eleições, os comunistas estiveram ao lado do PT, apoiando as candidaturas dos ex-presidentes Lula (entre 1989 e 2006) e Dilma Rousseff (2010 e 2014). Não foi definido quem será o candidato a vice na chapa.

Durante o discurso, ela prometeu combater o “desmonte” que acusa o governo do presidente Michel Temer (MDB) de ter promovido nos serviços públicos, em especial na educação e na saúde. “Nossa candidatura é a construção da saída contra a grave crise que o Brasil enfrenta”, afirmou. Formada em jornalismo, ela foi presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), vereadora de Porto Alegre, deputada federal e é deputada estadual desde 2015.

A agora candidata também fez uma defesa da liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso em Curitiba desde 7 de abril. “Enquanto estamos nós reunidos em Brasília, aproveitando o que resta da nossa liberdade de livre organização, o maior líder popular da história do Brasil está encarcerado injustamente sendo inocente”, criticou, completando que, para ela, “a democracia brasileira está presa naquela cela em Curitiba”.

Ao longo das últimas semanas, o PCdoB se reuniu com a direção dos demais partidos de esquerda e divulgou dois manifestos abrindo a possibilidade de desistir de uma candidatura própria em prol de uma unidade das legendas. Como o PDT e o PSOL já confirmaram os nomes de Ciro Gomes e Guilherme Boulos, respectivamente, e o PT se prepara para oficializar Lula no sábado, essa articulação se mostra cada vez mais inviável.

A última esperança de dirigentes era que, diante da provável rejeição da candidatura do ex-presidente pela Justiça Eleitoral, petistas dessem sinais de abertura a uma composição com Ciro, o que não ocorreu. Nos bastidores, o PT está decidido a, se precisar substituir Lula, indicar um outro nome do próprio partido.

Cortejado para aderir a uma ou a outra candidatura, os comunistas se mantiveram firmes no discurso de que só desistiriam de lançar Manuela caso um acordo dos cinco partidos fosse fechado, mas não apenas para fechar com um ou com outro. Apesar da oficialização da postulação da deputada gaúcha, a presidente nacional do PCdoB, deputada Luciana Santos (PE), também afirmou, durante o seu discurso, que a legenda ainda trabalhará até o final do prazo das convenções para que os partidos caminhem juntos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)