Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O filho pródigo

Relatório do Coaf sobre ações do ex-assessor de Flavio Bolsonaro traz trecho, até agora inédito, que levanta suspeita sobre conta do próprio senador eleito

Deputado federal eleito, Eduardo passou a semana fazendo postagens do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Vereador no Rio de Janeiro, Carlos ficou no Brasil, longe da sombra do pai, a quem vinha acompanhando de perto em Brasília. O palco do drama familiar dos Bolsonaro foi ocupado, na última semana, quase exclusivamente pelo primogênito Flavio. O barulho em torno das estranhas movimentações bancárias de seu ex-motorista Fabrício Queiroz ainda não silenciara quando veio à tona uma revelação ainda mais incômoda para Flavio: o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou, entre junho e julho de 2017, 48 depósitos de 2 000 reais cada um em uma conta bancária do deputado. O Zero Um, como é chamado pelo pai, ainda se esforçava para explicar o caso (o dinheiro vivo vinha de uma transação imobiliária, alegou em entrevistas à Record e à RedeTV!) quando, na terça-feira 22, se divulgou que seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) havia tido como funcionárias a mãe e a mulher de um miliciano, hoje foragido da polícia — um fato especialmente comprometedor à luz da defesa que Flavio, como deputado estadual, já fez das milícias (veja o quadro no fim da reportagem).

FRACIONAMENTO -  Relatório do Coaf sobre Fabrício Queiroz: operações suspeitas

FRACIONAMENTO -  Relatório do Coaf sobre Fabrício Queiroz: operações suspeitas (//Reprodução)

MAIS QUE UM MOTORISTA – O amigo dos Bolsonaro: ele até indicava assessores a Flavio

MAIS QUE UM MOTORISTA – O amigo dos Bolsonaro: ele até indicava assessores a Flavio (SBT/Reprodução)

SALDO INEXPLICADO - Trechos do relatório do Coaf sobre movimentações financeiras de Flavio Bolsonaro: incompatíveis com sua renda

SALDO INEXPLICADO - Trechos do relatório do Coaf sobre movimentações financeiras de Flavio Bolsonaro: incompatíveis com sua renda (//Reprodução)

Agora, mais uma revelação. VEJA teve acesso a trechos inéditos do relatório do Coaf que documentam transações que o senador ainda precisa explicar. Num deles, o conselho informa que Flavio Bolsonaro movimentou, entre 1º de agosto de 2017 e 31 de janeiro de 2018, a quantia de 632 229 reais, valor considerado incompatível com sua renda. Foram 337 508 reais em créditos e 294 721 em débitos. O Coaf resumiu assim a situação: “Suspeição: nossa comunicação foi motivada em razão de o cliente movimentar recursos superiores a sua capacidade financeira”. Trocando em miúdos: entendeu-se que as rendas de Bolsonaro não eram suficientes para explicar aquele volume de dinheiro em sua conta bancária.

Em entrevistas, Flavio Bolsonaro tem dito que a maior parte de seus rendimentos vem de suas atividades empresariais, e não dos proventos como deputado estadual. Mas os dados do Coaf também põem em xeque essa afirmação. A principal fonte de receita da conta bancária do filho do presidente, nos seis meses analisados pelo Coaf, foram os salários de deputado estadual — no total, ele recebeu 131 508 reais. É mais do que os 120 000 reais ganhos da Bolsotini Chocolates e Café, que administra uma franquia da Kopenhagen. Somadas as duas quantias, chega-se a um total de 251 508 reais. O relatório não informa se detectou ou não a origem dos 90 000 reais restantes. Parece pouco, mas trata-se de análise de um período de apenas seis meses.

Flavio Bolsonaro é dono de 50% da Bolsotini. Também é sócio da Bolsonaro Digital, ao lado dos pais, Jair e Rogéria, e dos irmãos Eduardo e Carlos, mas o Coaf não registrou no relatório um centavo sequer recebido dessa empresa. Apesar de ter rendido ao então deputado estadual 20 000 reais mensais no período analisado pelo Coaf — ou seja, menos que o salário bruto de 27 000 reais pago pela Alerj —, a loja de chocolates em um shopping na Barra da Tijuca pode ser considerada um caso de sucesso estrondoso se comparada às concorrentes. No Rio de Janeiro, as franquias da Kopenhagen lucram em média, segundo fontes do mercado, de 8 400 reais a 10 500 reais por mês. VEJA procurou o sócio de Flavio nesse empreendimento, Alexandre Santini, para saber se todo o lucro da empresa ficava com o senador eleito e por que a dupla embolsava bem mais que a média. Santini, que já postou em suas redes sociais fotos tiradas dentro do Palácio do Planalto, não quis dar explicações.

 (Arte/VEJA)

Se deseja começar seu mandato no Senado com tranquilidade, Flavio Bolsonaro terá uma semana para desfazer suspeitas que se acumulam desde dezembro (veja o quadro), quando o enrosco de Queiroz foi revelado. Mantida a situação atual, ele entra no Parlamento enfraquecido, a despeito da montanha de 4 milhões de votos. Mais grave, ele se tornou um constrangimento para o presidente Jair Bolsonaro. Como o filho pródigo da parábola narrada no Evangelho de Lucas, Flavio vem dissipando o bem mais precioso da família: o substancioso capital político acumulado na vitória eleitoral do ano passado.

Quanto aos bens materiais, a história é bem outra. O crescimento patrimonial de Flavio, desde o início de sua carreira política, é portentoso. Na declaração de bens que fez à Justiça Eleitoral em 2002, quando se elegeu deputado estadual pela primeira vez, ele elencava apenas um item, um Gol 1.0, no valor de 25 500 reais. No ano passado, quando apresentou nova declaração para se candidatar ao Senado, o total de seus bens saltara para 1,7 milhão de reais, incluindo um carro Volvo, dois imóveis (um residencial e um comercial) e a loja da franquia Kopenhagen.

Em outro trecho inédito acessado por VEJA, o Coaf também registrou novos indícios de lavagem de dinheiro contra Fabrício Queiroz. Entre 20 de dezembro de 2017 e 6 de junho de 2018, quando as atenções estavam voltadas para a sucessão presidencial, o ex-motorista sacou 190 000 reais em 38 operações distintas. Foi uma tentativa, suspeita o Coaf, de driblar a fiscalização: “Verificamos fracionamento nos saques em espécie com cartão de débito, fatos que nos despertam a suspeita de ocultação do destino deste valor e a sua finalidade”. Entre 23 de janeiro e 15 de março de 2017, a mesma conta teve movimentações financeiras consideradas suspeitas em razão de saques fracionados e da “possibilidade de ocultação da origem e destino dos portadores”. Foram 49 000 reais em saques suspeitos.

O próprio Flavio recorreu ao fracionamento de depósitos em sua conta, e em dinheiro vivo. Não é prático nem seguro depositar 96 000 reais em 48 operações de 2 000 reais em um caixa eletrônico. Ao justificar esse expediente, o senador afirmou, no Instagram, que agiu assim para escapar de filas e evitar que o dinheiro fosse contado na frente de várias pessoas. Só não mencionou que assim também contornou o registro formal da operação, exigido por lei. Caso levasse as cédulas aos guichês da agência do Itaú, ali mesmo na sede da Alerj, o deputado teria de preencher uma declaração na qual especificaria a origem do montante e o objetivo de cada depósito. Fracionando os depósitos, evitou essa fiscalização.

Em entrevista à TV Record, Flavio disse que o dinheiro, em sua maior parte, tem como origem a venda de um apartamento no bairro de Laranjeiras, na Zona Sul do Rio. A julgar pelo relato do comprador, o ex-jogador de vôlei de praia Fábio Guerra, o parlamentar não cria dificuldades em seus negócios. O ex­-atleta diz que o senador eleito aceitou sua proposta de que ele fosse oito vezes a seu apartamento, em Botafogo, também na Zona Sul, para receber, em mãos, parcelas que, somadas, chegaram a 100 000 reais — sim, em dinheiro vivo. “Fui parcelando a dívida à medida que ia entrando o dinheiro para mim”, conta Guerra. Mas esses pagamentos se deram ao longo de cinco meses, entre abril e agosto de 2017 — ou seja, começaram dois meses antes e terminaram um mês depois da série de 48 depósitos.

Segundo o relato do comprador, Flavio, acompanhado de seu motorista, saía de seu apartamento com notas enfiadas num envelope fechado com fita adesiva. Depois, seguia para a Alerj, no Centro, a 10 quilômetros de distância, onde ficam os caixas eletrônicos usados nos 48 depósitos. De acordo com Guerra, o pagamento feito nota sobre nota responde por uma porção menor do negócio. A maior parte do valor do imóvel — 2,4 milhões de reais — foi paga em cheques e transferências bancárias. Guerra só não explicou por que preferiu entregar nas mãos do deputado as parcelas que faltavam para concluir a quitação do negócio. A escritura do imóvel, por exemplo, não faz menção a pagamentos em espécie.

Essa frente dos negócios imobiliários não satisfatoriamente explicados é nova entre os enroscos do Zero Um. Mas ele ainda deve explicações sobre o caso de Fabrício Queiroz, seu motorista e dileto colaborador. Os depósitos feitos por funcionários do gabinete de Flavio na conta de Queiroz levantaram a suspeita de que parte do aumento patrimonial do político carioca tenha se sustentado na prática da “rachadinha” — a cobrança informal e ilegal de parte dos proventos de assessores legislativos. Flavio, em notas oficiais e entrevistas esparsas, nega qualquer irregularidade. Diz que seu gabinete de deputado não praticava a tal “rachadinha”. Em conversas com amigos, porém, ele admitiu que parentes de Queiroz tinham sido nomeados apenas para garantir uma renda extra ao seu faz-tudo — no caso, o próprio Queiroz. Esses funcionários nem sequer precisavam trabalhar: apenas emprestavam nome e CPF para viabilizar o pagamento de salários que iriam engordar a conta do ex-motorista. A explicação admite uma ilegalidade, mas reforça a versão de Flavio de que o dinheiro não iria para ele ou para suas campanhas eleitorais. Toda essa proximidade com Queiroz, no entanto, é embaraçosa. Afinal, que motorista é esse que tinha autonomia até para indicar a mãe e a mulher de um miliciano para cargos no gabinete do chefe?

No primeiro trecho que veio a público do relatório, o Coaf identificou que funcionários do gabinete do deputado que não eram parentes de Queiroz também fizeram depósitos em sua conta. VEJA tentou ouvi-los. Em vão. No subúrbio de Oswaldo Cruz, vizinhos de Luiza Souza Paes disseram que ela e a mãe não têm sido vistas por lá há cerca de um mês. As portas também permaneceram fechadas nas casas de Jorge Luís de Souza e de Márcia Cristina Nascimento dos Santos. Ligações telefônicas para outros funcionários foram igualmente infrutíferas. Quem depositou e quem recebeu prefere o silêncio, que só aprofunda as suspeitas em torno do filho mais velho do presidente.

EMPRESÁRIO - Flavio e o pai, com Carlos Alberto Parreira (à esq.) na loja Kopenhagen: lucro raro na franquia

EMPRESÁRIO - Flavio e o pai, com Carlos Alberto Parreira (à esq.) na loja Kopenhagen: lucro raro na franquia (//Reprodução)

Já houve um começo de investigação sobre o patrimônio de Flavio antes, mas ele se saiu bem. Enquanto renovava seus mandatos parlamentares, Flavio se tornou um caso de sucesso no ramo imobiliário. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, ele lucrou 813 000 reais só com a venda de dois apartamentos. No ano passado, o Ministério Público do Rio de Janeiro recebeu notícia-crime de suposto enriquecimento ilícito do deputado. A acusação se baseava justamente nas operações de compra e venda de imóveis. Na época, ele prestou esclarecimentos, apresentou demonstrativos de imposto de renda e detalhou o processo de negociação de seus imóveis, as formas de pagamento e os financiamentos em aberto. O MP considerou as explicações satisfatórias e arquivou o caso.

Agora, o ânimo dos procuradores é diferente. Flavio Bolsonaro ainda não é investigado na seara criminal, mas, com base nos dados do Coaf e em testemunhos já colhidos, o MP pretende incluí-lo entre os investigados e pedir a quebra de seu sigilo bancário (o que não aconteceu até o momento, ao contrário do que Flavio vem sugerindo em entrevistas) tão logo o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, devolva à primeira instância a apuração sobre as transações, o que deve ocorrer no começo de fevereiro. A VEJA, uma das pessoas que acompanham o caso de perto assim resumiu a situação de Flavio: se a Justiça determinar a quebra do sigilo, “o rei ficará nu”.

O rei, aliás, presidente, cancelou uma entrevista coletiva em Davos provavelmente para evitar perguntas sobre o primogênito enrolado. Depois, em entrevistas breves, Jair Bolsonaro deu uma declaração que merece aplausos: disse que o filho teria de pagar se fosse comprovado algum crime. Mas, em seguida, afirmou que o “garoto” (de 37 anos) está sendo perseguido. Os rolos do Zero Um de fato ganham mais atenção do que o caso de outros 26 deputados estaduais que também serão investigados pela Receita por suspeitas levantadas pelo Coaf. Mas é assim justamente porque o envolvimento do presidente — que se declarava amigo de Queiroz e até admite ter emprestado dinheiro ao motorista — dá dimensão nacional ao que, de outra forma, seria apenas um escândalo local. Na parábola bíblica, o filho pródigo volta à casa da família e é perdoado pelo pai. Não se verá isso nesta versão abrasileirada da história: Flavio Bolsonaro, afinal, jamais se afastou do pai — e isso está se tornando um constrangimento para o presidente.

Com reportagem de Bruna Motta e Marcelo Rocha


As encrencadas proles presidenciais

SOB SUSPEITA – O ex-presidente Lula e seu primogênito, Fábio Luís, o Lulinha: “Ronaldinho dos negócios”

SOB SUSPEITA – O ex-presidente Lula e seu primogênito, Fábio Luís, o Lulinha: “Ronaldinho dos negócios” (//Reprodução)

Jair Bolsonaro não é o primeiro presidente da República a ter um filho sob suspeita. Dos oito presidentes que assumiram o país no período democrático, apenas três não tiveram a prole investigada: Fernando Collor de Mello (cujos filhos eram pequenos durante o mandato presidencial), Itamar Franco e Dilma Rousseff. O caso mais notório é o de Luiz Inácio Lula da Silva, cujos rebentos foram os mais encrencados com a Justiça, com a agravante de os problemas terem começado enquanto ele estava no cargo.

Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, passou de monitor de zoológico, em 2003, ano em que o pai recebeu a faixa presidencial, a empresário de sucesso, em 2005, quando sua Gamecorp recebeu 5,2 milhões de reais da operadora de telefonia Oi, que entrou de sócia na empresa. Na época, Lula disse que o filho era o “Ronaldinho dos negócios”. Em um dos processos contra Lula, a Lava-Jato constatou que a Gamecorp recebeu ainda mais da Oi: pelo menos 82 milhões até 2012. Os investigadores apuram se houve tráfico de influência, propina disfarçada de investimento ou tudo junto. Já o caçula de Lula, Luís Cláudio, é investigado pela Operação Zelotes. Há indícios de que ele atuou para que seu pai assinasse uma medida provisória, em 2009, que concedeu incentivos fiscais a montadoras de veículos. A empresa de marketing esportivo de Luís Cláudio recebeu 2,5 milhões de reais de um lobista que agia para as montadoras.

Rivalizando com o clã Lula, a ex-governadora Roseana Sarney, filha de José Sarney, protagoniza escândalos de corrupção desde 2002, quando a PF encontrou 1,3 milhão de reais em dinheiro vivo, sem origem comprovada, na empresa que ela tinha com o marido. Também foi investigada na Lava-Jato, acusada de receber propina de uma empreiteira (o inquérito foi arquivado por falta de provas). Em 2016, foi denunciada pelo MP de seu estado, por conceder isenções fiscais fraudulentas a empresas em troca de propinas.

A Lava-Jato também chegou a Paulo Henrique Cardoso, primogênito de Fernando Henrique, que foi citado na delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Segundo Cerveró, Paulo Henrique era sócio de uma empresa que se uniu à Petrobras em 2000 para construir uma termelétrica no Rio de Janeiro. Em 2002, a estatal teria comprado a parte da empresa de Paulo Henrique por 19 milhões de dólares. As investigações ainda não foram concluídas.

Maristela Temer é a mais nova encrencada com a Justiça entre os filhos de presidentes. Em 2017, ela caiu no crivo da Polícia Federal, que afirmou ter encontrado “indícios concretos” de que a reforma de sua casa foi paga com propina da JBS a Michel Temer, que ainda ocupava o Palácio do Planalto.


Agora mais esta: ajuda a milicianos

NINGUÉM MERECE - Pereira (à esq.) e Nóbrega: ex-PMs premiados por Flavio são suspeitos de comandar execuções

NINGUÉM MERECE - Pereira (à esq.) e Nóbrega: ex-PMs premiados por Flavio são suspeitos de comandar execuções (Jose Lucena/Futura Press/Foto/Reprodução)

O deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro já estava envolvido em um enredo financeiro difícil de explicar quando uma operação conjunta do Ministério Público e da Polícia Civil fluminenses, deflagrada na terça-feira 22, expôs vínculos do primogênito do clã presidencial com figuras sombrias do crime do Rio de Janeiro. Veio à tona que dois dos treze denunciados pela Operação Os Intocáveis, que mirou um poderoso bando de milicianos da Zona Oeste carioca, foram homenageados por serviços prestados como PMs pelo deputado Flavio. Além de praticar atividades usuais das milícias, como grilagem e cobrança de taxas de moradores em troca de suposta segurança, a dupla reverenciada pelo filho do presidente é investigada por pertencer a um certo Escritório do Crime, quadrilha de matadores de aluguel da qual a polícia suspeita ter saído o executor da vereadora Marielle Franco, assassinada em março passado.

Uma das honrarias — a Medalha Tiradentes, a maior comenda do Legislativo do Rio — foi entregue por Flavio ao hoje foragido e então tenente Adriano da Nóbrega em um cenário surrealista: em 2005, ele estava preso no Batalhão Especial Prisional, segundo revela um documento ao qual VEJA teve acesso — e a cerimônia ocorreu ali mesmo. Nóbrega era suspeito de homicídio. Ex-capitão do Bope, a tropa de elite fluminense, ele ficou na prisão até 2006, voltou à ativa e, cinco anos depois, regressou ao cárcere, dessa vez sob a acusação de fazer a segurança de uma quadrilha de contraventores. Acabou expulso da PM, mas não do círculo de Flavio.

Os laços até se estreitaram. Em novembro de 2010, o parlamentar levou para seu gabinete na Alerj a mulher do miliciano, Danielle da Nóbrega. Em 2016, empregou também a mãe do ex-oficial, Raimunda Veras Magalhães. Dois meses antes do término de seu mandato na Assembleia e com o pai já eleito presidente, Flavio exonerou as duas, a mãe e a mulher do ex-PM. O nome de Raimunda não é estranho: ela aparece entre os sete integrantes do gabinete identificados pelo Coaf por terem depositado dinheiro na conta do ex-PM Fabrício Queiroz, motorista e amigo para toda hora da família Bolsonaro. Depois da Operação Os Intocáveis, Flavio afirmou que a responsabilidade pela nomeação de parentes do miliciano era de Queiroz, que deu mais provas de sua amizade ao assumir a “culpa”. Justificou que queria apenas ajudar Nóbrega, seu ex-colega de Polícia Militar, e negou participação em milícias.

Queiroz foi ainda mais longe. Disse ter vindo dele a ideia de condecorar Nóbrega com a Medalha Tiradentes. Nessa época, é bom lembrar, Queiroz era só amigo dos Bolsonaro, sem ter nenhum cargo; ele entraria em cena oficialmente como assessor contratado dois anos depois da condecoração, em 2007. Por meio de sua assessoria, Flavio, que não negou ter ido ao cárcere para entregar a honraria, limi­tou-se a dizer que Nóbrega sofria uma “injustiça, reconhecida com sua absolvição na esfera judicial”, e que, naquele tempo, seria impossível “fazer previsões sobre acusações somente agora reveladas”. Impossível não era, pois, afinal de contas, o homenageado estava preso. A promotora Simone Sibilio, que comandou a operação de caça aos milicianos, definiu Nóbrega assim: “Ele é muito violento, te­mido até por seus comparsas”.

O segundo integrante de milícia a quem Flavio rendeu homenagem foi o major Ronald Paulo Pereira, este preso na operação do dia 22. O prêmio foi dado em 2004, pela atuação de Pereira em um confronto com traficantes em uma favela do Complexo da Maré. Na ocasião, ele já era investigado por participar de uma chacina que resultou na morte de quatro homens na saída de uma boa­te na Baixada Fluminense. Hoje, é suspeito de ser um dos membros da cúpula da organização criminosa chamada Escritório do Crime.

O enredo que aproxima Flavio das milícias não se encerra aí. Em agosto, dois de seus seguranças durante a campanha foram parar na cadeia justamente por atuar em uma dessas células criminosas. O senador já deu mostras de tratar tais organizações, notórias pelo pragmatismo na conquista de territórios e pela frieza com que eliminam suas vítimas, com inaceitável benevolência. Em 2008, afirmou: “Em muitas comunidades onde residem policiais, onde residem bombeiros, eles se organizam para que o tráfico não impere nessas regiões, sem visar lucro, sem exigir cobrança de nada”.

Fernando Molica e Leandro Resende

Publicado em VEJA de 30 de janeiro de 2019, edição nº 2619

Envie sua mensagem para a seção de cartas de VEJA
Qual a sua opinião sobre o tema desta reportagem? Se deseja ter seu comentário publicado na edição semanal de VEJA, escreva para veja@abril.com.br
Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Comentários proibidos.

    Curtir