Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“O caixa dois acabou”, diz Paulo Ferreira, ex-tesoureiro do PT

O ex-deputado assumiu o posto em 2005, logo depois do escândalo de corrupção que levou para a cadeia seu antecessor

Por Hugo Marques Atualizado em 22 abr 2022, 18h31 - Publicado em 22 abr 2022, 06h00

O ex-deputado Paulo Ferreira assumiu a tesouraria do PT em 2005, logo depois do escândalo de corrupção que levou para a cadeia seu antecessor. Em 2016, ele também foi preso e condenado por suposto envolvimento em um esquema de desvio de dinheiro desvendado pela Operação Lava-Jato — sentença que depois foi anulada. Nesta entrevista, ele fala sobre caixa dois, as dificuldades do cargo e repete a ladainha de que seu partido foi perseguido.

Existe alguma maldição na função de tesoureiro? O problema é que o tesoureiro fica premido pela enorme demanda que tem uma campanha eleitoral. É uma logística gigantesca, que envolve enormes recursos, num país continental como o Brasil. Imagina você preparar um material em São Paulo e distribuí-lo para os 27 estados.

Estou me referindo aos casos de corrupção envolvendo os ex-tesoureiros do PT.  Não vou entrar nesse tema.

Delúbio Soares e o João Vaccari são corruptos? Já disse: não vou entrar nesse tema. Eles são meus amigos e cumpriram uma função de financiamento do partido. Muitas dessas condenações, à luz não dos fatos, não poderiam ter ocorrido. Foi uma perseguição ao PT. Pode escrever aí: houve uma campanha persecutória contra o Delúbio e o Vaccari.

A proibição de doações de empresas facilita o trabalho da tesouraria? Hoje, a situação do secretário de finanças, do tesoureiro de campanhas, está num patamar de tranquilidade muito maior. Não é mais necessária a exposição de ter de ir a uma empresa, pedir doação, o que todo secretário de finanças do PT, do PSDB, de qualquer partido, sempre fez, entendeu?

Continua após a publicidade

O que os doadores pediam em contrapartida? Eles queriam uma relação. Às vezes, você recebe uma doação de uma empresa e não tem vinculação com o doador. Mas a empresa quer uma relação, e essa relação ali na frente vai se refletir num pedido, numa agenda, uma coisa assim. O fim do financiamento privado cortou essa interferência do poder econômico nas eleições e diminuiu muito a pressão sobre os gestores e sobre o Estado.

O caixa dois acabou? O caixa dois é um fenômeno, né? Aliás, foi um fenômeno. Hoje não existe mais. Pelo menos nas campanhas que eu acompanhei recentemente, não tem mais disponibilidade nesse tipo de situação. O financiamento informal, digamos assim, fez parte da política brasileira desde sempre. O Fundo Eleitoral mudou essa cultura.

Como assim? Primeiro, os candidatos não precisam mais ficar passando o pires, pedindo doações a empresas privadas, algo, como disse, que expõe muito as campanhas. E o mais importante: cria-se um nível de igualdade na distribuição dos recursos que não havia antes, o que fortalece a democracia. Agora, o partido pode dizer abertamente quem serão seus candidatos, o que eles vão defender, independentemente do interesse financeiro-eleitoral.

Houve alguma manifestação de solidariedade do partido quando o senhor foi preso? O presidente Lula me mandou uma mensagem. Eu nunca tive relação próxima ao Lula. Conheço ele, ele me conhece e prestou solidariedade quando fui preso. O presidente me mandou uma mensagem assim: “Olha, fica aí, fica firme, coisa e tal”. Depois, é natural que cada um siga seu caminho. Como eu não tenho reservas financeiras, tenho de cuidar da minha vida, e é isso que estou fazendo agora.

Publicado em VEJA de 27 de abril de 2022, edição nº 2786

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)