Clique e assine com 88% de desconto

‘Nunca votei no Bolsonaro’, diz Maitê Proença após críticas por ir a ato

Chamada de ‘bolsonarista’ nas redes sociais, a atriz participou de manifestação pela Amazônia ao lado de Caetano Veloso, Sônia Braga e outros artistas

Por Giovanna Romano - Atualizado em 26 ago 2019, 16h42 - Publicado em 26 ago 2019, 16h09

Na “comissão de frente” do protesto em defesa da Amazônia no domingo 25, na Praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, artistas e políticos erguiam cartazes contra o governo de Jair Bolsonaro e sua política ambiental. Entre os participantes estava Maitê Proença, atriz apontada como “bolsominion” (pessoas alinhadas aos ideais do presidente) por ter supostamente apoiado Bolsonaro nas eleições.

O assunto foi um dos destaques nas redes sociais entre a noite de domingo e esta segunda-feira. Internautas começaram a criticar nas redes sociais o posicionamento da atriz, chamando-a de “bolsominion arrependido”.  “Eu nunca votei no Bolsonaro”, disse a atriz a VEJA. Ela afirma ter votado na candidata Marina Silva (Rede) e que, no segundo turno, na disputa entre Bolsonaro e Haddad, não votou em ninguém.

Tuíte ironiza participação da atriz Maitê Proença em ato em defesa da Amazônia Reprodução/Reprodução

 

Tuíte ironiza a presença da atriz Maitê Proença em ato em defesa da Amazônia, no Rio de Janeiro Reprodução/Reprodução

Maitê critica as pessoas que a rotulam e considera que existe uma “burrice binária” no país — na qual as pessoas colocam a ideologia acima da causa. “Eu não sou de direita, nem de esquerda, nem católica, nem islâmica. Meu pensamento é independente”, afirmou.

Publicidade

A lembrança de seu apoio a Bolsonaro vem, acredita, do vídeo que publicou durante a campanha eleitoral defendendo a atriz Regina Duarte, então alvo de ataques por ter anunciado apoio ao candidato do PSL.

Além disso, logo após a vitória de Bolsonaro, Maitê foi cotada para ser ministra do Meio Ambiente, em parte pela militância que já possuía na área ambiental. Ela também tem uma filha com o empresário Paulo Marinho, um dos homens do círculo mais próximo a Bolsonaro durante a disputa eleitoral – o “quartel-general” da campanha bolsonarista ficava na casa do empresário, no Rio de Janeiro.

A VEJA Maitê afirmou que, apesar de não ter votado em Bolsonaro, estava otimista antes de ele assumir o cargo porque acreditava na capacidade das instituições, como o Congresso, de limitar o poder presidencial. “Ele está conseguindo desmontar as estruturas”, analisa.

Questionada sobre o cunho político das manifestações em defesa da Amazônia – no Rio, a grande maioria dos políticos presentes era ligada a partidos de esquerda e centro-esquerda, como PT, Rede, PSB, PCdoB e PSOL – , Maitê afirma que estava lá por causa do posicionamento pessoal dela em relação ao tema. “Eu sou ativista, não como carne. Acho um absurdo o que estamos fazendo com os animais e o meio ambiente”. Para ela, os protestos e a pressão internacional podem fazer com que o governo Bolsonaro recue do “desmonte ambiental” que está acontecendo.

Publicidade

A atriz afirmou a VEJA que não está contente com o governo Bolsonaro  porque o país não está crescendo no âmbito econômico e as políticas assistencialistas estão estagnadas. Maitê criticou a postura do presidente de fazer o que considera uma espécie de “revanchismo” em relação às gestões petistas e disse ter receio do que pode acontecer no futuro.

Publicidade