Clique e assine a partir de 9,90/mês

Novo deve ficar neutro em disputa de Bolsonaro contra Haddad, diz Amoêdo

Candidato do partido argumenta que nem gestão do PT nem o histórico do postulante do PSL no Congresso estão alinhados ao projeto da legenda

Por Guilherme Venaglia - Atualizado em 19 set 2018, 12h32 - Publicado em 19 set 2018, 11h09

O candidato do Novo à Presidência da República, João Amoêdo, afirmou que seu partido não deve apoiar nenhum dos dois presidenciáveis que hoje despontam como favoritos para disputar o segundo turno das eleições de 2018, Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL), caso ele não avance.

“Se forem esses dois que estão aí, esse quadro atual, muito provavelmente vamos nos posicionar contrários”, disse o candidato, o primeiro a participar da edição com Fórum Amarelas ao Vivo, promovido por VEJA. “Nenhum dos dois nos parece ter o programa de governo que nós gostaríamos. A gestão do PT e o histórico do outro candidato no Congresso. É difícil imaginar que a gente venha a apoiar.”

O postulante, no entanto, afirmou considerar que o cenário “ainda está muito incerto”. “Estamos vendo essas eleições com fatos novos a cada dia e muita gente indecisa em relação ao voto. Vemos que está polarizado, trazendo uma disputa de segundo turno para o primeiro, mas eu entendo que ainda não está definido, até porque essas duas opções que estão na liderança são muito ruins para o Brasil.”

João Amoêdo estimou que seu partido deve eleger cerca de quinze deputados federais nestas eleições. Ele diz esperar que, em virtude do processo seletivo realizado pelo Novo para definir os postulantes, a bancada da legenda seja “muito coesa”, sobretudo em questões que envolvem redução de impostos e do tamanho do estado. Para ele, a sua dificuldade e a do partido é “ser conhecido”. “A questão da nossa campanha é se dará tempo, até o dia do primeiro turno”, concluiu.

Continua após a publicidade
Publicidade