Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mulher de Cunha pede que Moro envie denúncia contra ela ao RJ

Cláudia Cruz responde aos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas por ter recebido valores desviados da Petrobras em contas no exterior

Por Nicole Fusco Atualizado em 22 out 2020, 15h31 - Publicado em 14 jul 2016, 16h54

A defesa da jornalista Cláudia Cruz, mulher do deputado federal afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pediu ao juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em Curitiba (PR), que a denúncia a que ela responde na Justiça do Paraná seja enviada à Justiça do Rio de Janeiro. Cláudia é ré pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Leia também:
CCJ rejeita recurso de Cunha contra cassação
STF arquiva ação em que Cunha acusava força-tarefa de Curitiba de investigá-lo

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Cláudia é suspeita de esconder recursos de propina em uma conta secreta no exterior da qual era beneficiária final e utilizar o dinheiro para pagamentos e gastos de luxo. De acordo com o MPF, o empresário Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira pagou propina ao deputado Eduardo Cunha para ser beneficiado em um contrato de aquisição dos direitos de participação na exploração de um campo de petróleo no Benin. Ao todo, teriam sido pagos a Cunha 1,311 milhão de francos suíços, o equivalente a 1,5 milhão de dólares. Parte da propina acabou remetida a contas no exterior registradas em nome de offshores ou trusts, que alimentavam o cartão de crédito utilizado por Cláudia Cruz em compras de artigos de luxo.

Na petição, impetrada nesta quarta-feira, Os advogados de Cláudia citaram o artigo 70 do Código de Processo Penal, que diz que a competência para julgar a infração será definida pelo lugar em que ela foi consumada. Segundo a defesa, o Rio de Janeiro é o “local onde teriam sido praticadas as imaginárias condutas que lhe são imputadas”.

Continua após a publicidade
Publicidade