Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

MP abre procedimento para periciar ‘farinata’ de Doria

Promotor considera 'prematuro' abrir ação contra Prefeitura, mas pedirá que instituições envolvidas prestem esclarecimentos sobre projeto

Por Estadão Conteúdo 19 out 2017, 18h19

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) abriu nesta quinta-feira um procedimento de acompanhamento (PAC) da proposta da Prefeitura de São Paulo de distribuir a chamada “farinata“, composto feito a partir de alimentos reprocessados, em instituições públicas. Segundo declaração do prefeito João Doria (PSDB), o composto alimentar, produzido a partir de alimentos próximos da data de vencimento, será distribuído em escolas a partir deste mês.

O pedido foi aberto pelo promotor José Carlos Bonilha, da área de Direitos Humanos, que vai enviar ofícios às instituições envolvidas até sexta-feira. Segundo Bonilha, a proposta é que as instituições prestem “os esclarecimentos necessários” e que seja possível verificar o valor nutricional do produto, visto que as posições da Prefeitura e do Conselho Regional de Nutricionistas (CRN) – que criticou a proposta – são divergentes. “É dever do Ministério Público zelar pela segurança alimentar da população. Nesse momento, a gente precisa entender melhor o que está acontecendo”, diz.

De acordo com Bonilha, a documentação técnica que embasa o valor nutricional do produto será solicitada. Além disso, amostras serão encaminhadas para análise de técnicos do Ministério Público. “Entrar com ação agora é precipitado, pois não temos certeza se o produto causa malefícios”, argumenta. “Ao final desse procedimento, aí sim seremos capaz de ter uma certeza, que virá do campo técnico, do campo científico. O procedimento será arquivado se estiver tudo ok. Caso seja constatado algum malefício, daí podemos promover uma medida judicial para que o produto seja retirado e tenha a distribuição encerrada”, aponta.

Bonilha destaca ainda que o procedimento de acompanhamento se refere apenas à segurança alimentar do produto, pois demais possíveis questionamentos, como a oferta do produto exclusivamente na merenda, ou supostos problemas com licitação, se referem a promotorias de outras especialidades.

Além do acompanhamento do MP-SP, a Câmara Municipal se movimenta para apurar a distribuição do produto: na próxima quinta-feira, dia 26, o legislativo promoverá uma reunião sobre a farinata com representantes das partes envolvidas no projeto. Em outra frente, a vereadora Sâmia Bonfim (PSOL) tenta reunir as assinaturas para abrir uma CPI na Câmara sobre o tema.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês