Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Moro e Ciro trocam farpas sobre fim de motim de PMs no Ceará

Ex-governador diz que todos viram o papel de ‘capanga de miliciano’ desempenhado pelo ex-juiz; ministro afirma que ‘apesar dos Gomes, a crise foi resolvida’

Por Mariana Zylberkan
Atualizado em 30 jul 2020, 19h28 - Publicado em 2 mar 2020, 14h03

O fim do motim dos policiais militares no Ceará, oficializado neste domingo, 1º, acirrou a disputa política entre o ministro da Justiça e Segurança Pùblica, Sergio Moro, e o ex-governador do estado Ciro Gomes (PDT).

Enquanto Moro atribuiu o fim da crise à intervenção das Forças Armadas por meio da ação federal conhecida como Garantia da Lei e da Ordem (GLO), que levou militares às ruas de Fortaleza para fazer o policiamento, Ciro enalteceu investimentos em segurança pública de gestões estaduais anteriores para explicar o fim da paralisação.

Desde 2007, o Ceará é administrado por governadores apoiados por Ciro. Seu irmão, Cid Gomes, foi o governador entre 2007 e 2014. Foi sucedido por Camilo Santana (PT), aliado da família Gomes, que está no poder desde 2015 e em seu segundo mandato. Ciro também administrou o estado, entre 1991 e 1994, quando era filiado ao PSDB de Tasso Jereissati. “Ninguém fez pela polícia do Ceará o que nós fizemos”, disse Ciro em vídeo divulgado nesta segunda-feira, 2, em uma rede social. Antes, ele se referiu ao ministro da Justiça como “capanga de miliciano” e criticou a sua atuação frente à crise de segurança no estado.

Moro rebateu os ataques e citou diretamente os irmãos Gomes em publicação feita também em uma rede social. “Explorar politicamente o episódio, ofender policiais ou atacá-los fisicamente só atrapalharam. Apesar dos Gomes, a crise foi resolvida”, escreveu o ministro. 

Continua após a publicidade

O presidente Jair Bolsonaro se pronunciou na mesma linha do ministro: “Não somos psiquiatras”, escreveu antes de parabenizar a atuação de Moro no episódio. O presidente se referia à atitude de Cid Gomes, hoje senador, que usou uma retroescavadeira para liberar o 18º Batalhão de Polícia em Sobral, reduto eleitoral dos Gomes, que estava tomado por  amotinados – o senador levou dois tiros.

No dia seguinte ao fim do motim, Camilo Santana voltou a afirmar que não irá conceder anistia aos policiais que aderiram à paralisação, que durou 13 dias. O pedido era uma das condições para os militares voltarem ao trabalho, mas não foi aceito pelo governador. De acordo com a gestão Santana, 230 policiais foram afastados do trabalho e vão responder a processos administrativos por terem aderido à paralisação – a lei proíbe greve de policiais militares.

Continua após a publicidade

Na sexta-feira, o governo Bolsonaro estendeu a GLO até a próxima sexta-feira, 6 de março.

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.