Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘MDB não quer ser base, quer ter uma agenda’, diz Jucá após encontro

Emedebista rebateu críticas do presidente em relação ao que chama de 'velha política' e defendeu o diálogo entre o governo, os partidos e parlamentares

Após se reunir com o presidente Jair Bolsonaro, o presidente do MDB, Romero Jucá, admitiu que é preciso construir uma “nova modelagem na relação política”, pois a antiga foi “vencida pelas urnas”. Jucá não conseguiu se reeleger como senador na última eleição, após três mandatos consecutivos. O emedebista deixou claro que o partido não quer fazer parte da base aliada do governo e não garantiu apoio irrestrito à reforma da Previdência.

“O MDB não quer cargo, não quer ministério, não vai pedir nada. O que nós queremos é construir uma agenda que faça com o que partido possa votar, o governo sabendo da nossa posição, da nossa contribuição e o povo sabendo das posições do MDB para construir um Brasil melhor”, disse.

Apesar do discurso sobre a nova forma de atuação, Jucá rebateu críticas de Bolsonaro em relação ao que chama de “velha política” e defendeu o diálogo entre o governo, os partidos e parlamentares. Segundo o emedebista, “Bolsonaro acabou concordando que o que vale é a boa política”. “Não existe nova ou velha política, existe política”, defendeu Jucá durante coletiva de imprensa.

Jucá reforçou que o MDB não tem interesse em integrar formalmente a base aliada do governo e não está em busca de cargos em ministérios, mas quer propor uma agenda “econômica e social” ao governo. “Ser ou não ser da base é uma questão passada, discussão agora é temática”, disse. “O MDB não quer ser base, quer ter uma agenda”, reiterou.

Também declarou que “não se faz política sem diálogo” e o MDB estará disposto a conversar com o governo. “Com diálogo, tem menos chance de errar. E sei que o governo quer acertar.”

O ex-senador elogiou Bolsonaro por chamar os dirigentes partidários para conversar e disse que ele foi “simpático”. O gesto, na visão dele, “mostra uma mão estendida e um desprendimento”.

“O governo pode ter equívocos, mas tem que ter agilidade para corrigi-los”, avaliou. O governo Bolsonaro tem sido criticado pela falta de interlocução com o Congresso e enfrenta dificuldades para viabilizar a reforma da Previdência.

Sobre a proposta, lembrou que a reforma da Previdência foi apresentada durante a gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB). O apoio, no entanto, possui restrições. “Sou favorável à reforma, mas questões específicas precisam ser discutidas.” Assim como partidos como o PSDB, os emedebistas são contra as mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC), que é pago para idosos e deficientes de baixa renda, e alterações propostas na aposentadoria rural.

Jucá fez ponderações sobre trechos da proposta que tratam do modelo de capitalização. Para Jucá, o modelo apresentado precisa ser discutido porque “não está claro e não está ajustado”.