Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

DEM pode fazer parte da base aliada do governo Bolsonaro, diz ACM Neto

Após reunião com Bolsonaro, presidente do partido também não descartou que a sigla feche questão a favor da reforma da Previdência no Congresso

Por Redação Atualizado em 4 abr 2019, 16h33 - Publicado em 4 abr 2019, 16h21

Um dos cinco presidentes de partidos que se reuniram na manhã desta quinta-feira, 4, com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), afirmou na saída do encontro que o partido ainda vai analisar a possibilidade de fazer oficialmente parte da base do governo federal.

Segundo o prefeito, a Executiva do partido irá analisar se fará parte da base, mas essa não é uma preocupação no momento nem do DEM, nem do presidente. De acordo com ele, não houve um convite formal na reunião desta quinta-feira.

“Ser base, formalmente ou não, é algo que pode ocorrer com absoluta naturalidade e que vai acontecer no momento em que houver uma deliberação da Executiva do partido. Mas eu entendo que a preocupação maior, tanto do Democratas como do presidente Jair Bolsonaro, não está na formalidade, em dizer se ‘é base ou não é base’, e sim em garantir que esse diálogo possa ser produtivo e facilite o andamento da agenda de reformas”, afirmou ACM Neto. 

Demistas ocupam três dos mais importantes ministérios do governo Bolsonaro: Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Agricultura (Tereza Cristina). Os nomes deles, no entanto, não foram escolhidos pela legenda. Onyx é da “cota” de Bolsonaro, enquanto Mandetta e Tereza foram indicados por bancadas temáticas do Congresso.

ACM Neto também não descartou que a sigla feche questão na votação da reforma da Previdência. Ele ponderou, contudo, que é cedo para uma decisão e que ela depende do texto final que irá ao plenário da Câmara dos Deputados. “Se tiver apoio majoritário no partido, podemos avançar no fechamento de questão”, declarou.

O líder do DEM na Câmara dos Deputados, Elmar Nascimento (BA), disse a VEJA na segunda-feira, 1º, que é contra o partido fechar questão na votação. Para ele, os parlamentares da legenda têm de ter liberdade para fazer a escolha. “Nós não temos história disto não. Eu sou contra o fechamento de questão. Nós nunca fechamos. A gente vota por convicção”, declarou.

  • Além de ACM neto, se reuniram com Jair Bolsonaro no Planalto nesta quinta-feira os presidentes do PSDB, o ex-governador Geraldo Alckmin; do PSD, o ex-ministro Gilberto Kassab; do PRB, o deputado federal Marcos Pereira (SP), e do PP, o senador Ciro Nogueira (PI).

    (com Reuters)

    Continua após a publicidade
    Publicidade