Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

MBL cria movimento entre estudantes para rivalizar com a UNE

MBL Estudantil será lançado na sexta-feira, 23, para, segundo organizadores, preparar membros contra suposta doutrinação

Por Redação - Atualizado em 19 nov 2018, 10h55 - Publicado em 19 nov 2018, 10h22

O Movimento Brasil Livre (MBL) está voltando suas atenções para o movimento estudantil. Segundo os organizadores, o MBL Estudantil será um novo segmento que buscará agregar alunos que não se sentem representados pela União Nacional dos Estudantes (UNE) ou pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes). As informações são da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo.

Segundo um dos fundadores do MBL, Pedro D’eyrot, a meta é tornar essas organizações estudantis insignificantes, pois consideram o modelo obsoleto. D’eyrot afirma que o objetivo do grupo é municiar os alunos com conteúdo ideológico para que possam combater uma alegada “doutrinação” de professores em sala de aula. Isso será feito por meio de palestras, encontros e videoaulas.

Ele traz a informação de que estudantes de mais de 3.000 escolas no país já fizeram um cadastro prévio para integrar o novo movimento. O lançamento da organização será na sexta-feira, 23.

O MBL é uma força política nascida em meio aos protestos contrários à ex-presidente Dilma Rousseff, que culminaram em seu impeachment após processo por improbidade no Congresso. Neste ano, dois nomes próximos à liderança do movimento, Kim Kataguiri (DEM-SP) e Arthur Moledo (DEM-SP), se elegeram deputados – o primeiro federal e o segundo estadual.

Publicidade