Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Manaus: Artur Neto é reeleito e pavimenta retorno ao Senado

O candidato tucano foi reeleito com 55,9% dos votos. Ele disputava a prefeitura com Marcelo Ramos, do PR

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 30 out 2016, 20h44 - Publicado em 30 out 2016, 19h38

O tucano Artur Virgílio Neto foi reeleito prefeito de Manaus neste domingo. Em uma disputa marcada por tiroteios, alianças inesperadas e uma série de ações judiciais, o candidato do PSDB alcançou mais quatro anos à frente da prefeitura o e dá um importante passo para retornar ao Senado Federal em 2018, oito anos após sofrer uma dura derrota e acabar fora da política.

Com 100% das urnas apuradas, Artur Neto foi reeleito com 55,9% dos votos (581.777 votos). Ele disputava o posto com Marcelo Ramos, candidato do PR, que acabou com 44,04% (457.809 votos). Nos votos totais, 5,7% votaram nulo e 2,9% em branco. Nove porcento dos eleitores se abstiveram.

A vitória do tucano é um salto para o PSDB, que amplia a sua capilaridade no Norte do país, e também um importante resultado para seu projeto político. Nestas eleições, contrariando todo o histórico de alianças em Manaus, Artur caminhou junto com o PMDB de Eduardo Braga, seu antigo adversário, formando a chapa com o deputado federal Marcos Rotta, que até a pré-campanha colocava-se como candidato contra o tucano.

Nos bastidores, avalia-se que o inusitado acordo visa 2018: o tucano pode renunciar à prefeitura e lançar-se novamente candidato ao Senado, onde já cumpriu um mandato. Ele contaria com o apoio do senador Eduardo Braga, e, em troca, chancelaria o projeto do peemedebista de retornar ao governo do Amazonas. Em 2010, Artur Neto creditou a sua derrota no Congresso justamente à ação de Braga, que investiu na candidatura da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB).

Continua após a publicidade

Se, por um lado, fechou com Braga, o tucano rachou nestas eleições com o governador do Amazonas, José Melo (Pros), e com o senador Omar Aziz (PSD). Os dois apoiaram a candidatura de Marcelo Ramos, lançado prefeito com o total apoio do deputado Alfredo Nascimento (PR).

Com aliados agora rompidos e opositores de mãos dadas, o segundo turno das eleições descambou para uma série de ataques. O clima da campanha esquentou ainda mais quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Maus Caminhos, que investiga desvios milionários do Fundo Estadual de Saúde do Amazonas. Na esteira da operação, Artur Neto correu para a televisão para jogar o escândalo de corrupção no colo do governador José Melo, ligado ao seu adversário na disputa. Já aliados de Marcelo Ramos rebateram com a alegação de que as fraudes também ocorreram dentro da prefeitura de Manaus.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.