Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mais um imóvel em São Bernardo dá dor de cabeça a Lula

Órgão ambiental embargou obra em terreno de R$530 mil pertencente ao petista na região da Represa Billings; ex-presidente tenta reverter medida na Justiça

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se envolveu em nova disputa judicial neste mês. A prefeitura de São Bernardo do Campo, comandada pelo tucano Orlando Morando, embargou a construção de uma obra em um terreno de área rural que pertence ao petista.

A secretaria de Gestão Ambiental paralisou a construção alegando que o petista não possui os alvarás ambiental e de construção necessários. Considerando o ato como “manifestamente ilegal”, Lula recorreu à Justiça para reverter a decisão.

A defesa de Lula diz que o terreno do petista  possui, sim, o alvará ambiental e que o alvará de construção não seria necessário, por se tratar de uma obra em área rural. O terreno, comprado por R$ 530 mil pelo ex-presidente em setembro de 2016, está localizado em uma região às margens da Represa Billings.

O pedido de liminar apresentado pelo ex-presidente foi rejeitado pelo juiz José Carlos de França Carvalho Neto, que argumentou que a forma escolhida pelo petista para o recurso – um mandado de segurança – tem tramitação rápida e, portanto, não justifica a urgência de liberar a retomada da obra antes da decisão final.

Condenado pelo juiz federal Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, sob a acusação de ocultar a posse de um apartamento tríplex no Guarujá (SP) supostamente oriundo de propinas da empreiteira OAS, Lula enfrenta problemas na Justiça por outros três imóveis.

Ele é réu por ter recebido a título de propina, segundo as denúncias do Ministério Público Federal (MPF), um apartamento vizinho ao seu em São Bernardo, um sítio em Atibaia (SP) e a promessa de um terreno que seria a nova sede do Instituto Lula. O ex-presidente nega todas as acusações.

Sobre o tríplex, o petista alega que ele visitou o apartamento mas que a decisão sobre a compra cabia à sua mulher Marisa Letícia, morta em fevereiro. Ele recorreu da condenação e terá a apelação julgada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) em 24 de janeiro.

A respeito dos demais imóveis, Lula nega a posse dos três. O ex-presidente argumenta que paga aluguéis de forma regular pelo apartamento em São Bernardo, que o sítio em Atibaia é de um amigo, que visitou o local a convite e que o terreno para a sede do instituto foi um negócio que não avançou e seria financiado pela própria entidade.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. É o tipo do trambiqueiro contumaz.
    Entra dia, sai dia……, e o vigarista aparece no coluna policia,l flagrado em mais um delito.
    Nem depois de velho toma juízo !!!??????
    Ou vergonha !???

    Curtir

  2. Osmar Serrragem

    Seria um inferno astral?

    Curtir

  3. R. Marcel Marcel

    Esse sacriPanTa é a prova de que alguns são mai$ iguai$ que outro$ na justi$a (sic) de banânia.

    Curtir