Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Maia diz que atrito com governo em relação à Previdência é ‘página virada’

Na sexta, o deputado havia criticado Bolsonaro, dizendo que o presidente precisava focar na Previdência e não em redes sociais

Por Redação
Atualizado em 23 mar 2019, 11h55 - Publicado em 23 mar 2019, 11h40

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na manhã deste sábado, 23, que o atrito entre o Congresso e o Executivo a respeito da reforma da Previdência é “página virada”. Maia voltou a dizer que vai dialogar com os deputados, mas que não cabe a ele construir a base de apoio do governo para aprovar a proposta. Para ele, o Planalto precisa assumir a liderança na articulação.

“Esse assunto de conflito já viramos a página, o que a gente precisa é mostrar para a sociedade que a gente tem responsabilidade, que o governo tem responsabilidade, que o governo vai sair de conflitos nas redes sociais e vai para o mundo real”, disse. Ele falou com jornalistas antes de uma breve participação em congresso do PPS, em Brasília.

“Vou continuar dentro do processo, na Câmara dos Deputados, dialogando com deputado e ajudando. Mas eu não tenho responsabilidade e nem o governo pode me delegar a responsabilidade de construir uma base para o governo.”

Em entrevista exibida no Jornal Nacional na sexta 22, Maia afirmou que o presidente Jair Bolsonaro precisa ter “mais tempo para cuidar da reforma da Previdência e menos tempo cuidando do Twitter”. Foi uma resposta a uma declaração anterior de Bolsonaro, que comparou a relação com o presidente da Câmara com um namoro: “Você nunca teve uma namorada e brigou com ela? O que você fez para ela voltar? Não conversou?”.

Continua após a publicidade

Os atritos entre os poderes Executivo e Legislativo se intensificaram esta semana após embate entre o ministro da Justiça, Sergio Moro, e Maia, por causa da tramitação do pacote anti-crime, e também por postagens em redes sociais do vereador do Rio Carlos Bolsonaro, com críticas ao presidente da Câmara.

As rusgas tiveram reflexos no mercado. A possibilidade de Maia abandonar a articulação política em torno da reforma da Previdência fizeram o dólar disparar 2,68% na sexta-feira 22, fechando a 3,90 reais, a maior cotação desde 26 de dezembro de 2018.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo publicada neste sábado, 23, Maia afirmou que o governo Bolsonaro é um “deserto de ideias”: “Qual é o projeto do governo Bolsonaro, fora a Previdência? Fora o projeto do ministro (Sergio) Moro? Não se sabe. Qual é o projeto de um partido de direita para acabar com a extrema pobreza? Criticaram tanto o Bolsa Família e não propuseram nada até agora no lugar. Criticaram tanto a evasão escolar de jovens e agora a gente não sabe o que o governo pensa para os jovens e para as crianças de zero a três anos. O governo é um deserto de ideias”.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.