Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

João Santana e a mulher se calam em depoimento à PF

Os dois estão presos desde 22 de fevereiro, por ordem do juiz federal Sergio Moro

O marqueteiro do PT, João Santana, e a mulher dele, Monica Moura, ficaram calados nesta quinta-feira em depoimento à Polícia Federal. O casal está preso desde 22 de fevereiro, quando foi deflagrada a Operação Acarajé, 23ª fase da Lava Jato. Santana e Mônica teriam recebido por meio de uma offshore não declarada no Panamá, a Shelbill Finance, 3 milhões de dólares de duas offshores da Odebrecht, a Klienfeld e a Innovation, e outros 4,5 milhões de dólares de Zwi Skornicki, apontado pelos investigadores como operador de propinas do estaleiro Keppel Fels na Petrobras. Na semana passada, o juz Sergio Moro converteu a prisão deles em preventiva – e agora a dupla não tem mais data para deixar a cadeia. De acordo com a defesa do casal, com a conversão da prisão já não há mais o que ser esclarecido à autoridade polícial. Os dois agora só falarão diante do juiz.

De acordo com o juiz federal, as prisões preventivas foram necessárias porque há indícios de “participação prolongada na prática de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, com recebimento, sub-reptício e doloso, de recursos de natureza criminosa do esquema criminoso que vitimou a Petrobras, isso em um quadro de corrupção sistêmica”.

Moro atendeu aos pedidos da Polícia Federal e do Ministério Público Federal (MPF), que pediram a conversão das prisões temporárias, que tem prazos para expirar, em preventivas, que não têm prazo definido. Para a PF, o fato de João Santana ter excluído, no dia 22 de fevereiro, data deflagração da Acarajé, uma conta que tinha no Dropbox, apagando dados de celulares e computadores antes armazenados em arquivos em nuvem, foi uma “clara tentativa de eliminar eventuais elementos probatórios relevantes que ali pudessem ser encontrados”. Na decisão de hoje, Moro afirma que “apagar os arquivos em nuvem equivale a destruir documentos que podem interessar à investigação”.

No pedido do MPF, os procuradores citam, além dos 7,5 milhões de dólares recebidos por Santana e sua esposa na Shelbill, 21,5 milhões de reais recebidos por Santana da Odebrecht entre outubro de 2014, durante as eleições presidenciais que terminaram com a reeleição de Dilma, e maio de 2015. Segundo o MPF, o recebimento oculto do dinheiro “revela claramente que sabiam da origem ilícita dos recursos e que participaram da empreitada para que os valores fossem recebidos à margem da lei, provavelmente em remessas feitas em espécie, controladas apenas a partir da contabilidade paralela armazenada de forma aparentemente segura na residência da secretária do Grupo Odebrecht”.

LEIA MAIS:

Odebrecht repassou quase R$ 22 milhões a João Santana

PF suspeita que João Santana destruiu provas na Lava Jato

João Santana admite caixa dois, mas diz que não sabe origem do dinheiro no exterior

Em seus depoimentos à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Santana e Mônica Moura atribuíram os pagamentos da Odebrecht no exterior à prática de caixa dois na campanha do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez em 2012 e, no caso de Zwi Skornicki, à campanha do presidente angolano José Eduardo dos Santos, em 2012.

Na tentativa de desqualificar as acusações de lavagem de dinheiro, o publicitário declarou que não sabia a origem dos milhões de dólares repassados às suas contas – dinheiro que, diz o Ministério Público, foi desviado do esquema de corrupção instalado na Petrobras. Para os investigadores, não há dúvida: João Santana e a mulher, Mônica Moura, sabiam da “origem espúria” do dinheiro que escondiam no exterior. Santana também negou qualquer relação com o apelido Feira, encontrado na agenda de Marcelo Odebrecht.