Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ibope/RJ: Witzel cai quatro pontos e ainda lidera; Paes sobe quatro

Ex-juiz e candidato do PSC tem 56% dos votos válidos contra 44% do ex-prefeito do Rio

Por Estêvão Bertoni - Atualizado em 23 out 2018, 19h13 - Publicado em 23 out 2018, 19h12

O ex-juiz federal e candidato do PSC ao governo do Rio, Wilson Witzel, lidera a corrida no estado com 56% dos votos válidos, contra 44% do ex-prefeito da capital fluminense Eduardo Paes (DEM), segundo pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (23). Os votos válidos excluem brancos e nulos.

Em relação ao levantamento anterior, Witzel caiu quatro pontos percentuais, e Paes subiu quatros pontos. A margem de erro é de três pontos. Na semana passada, o candidato do PSC tinha 60% contra 40% do adversário.

Nos votos totais, Witzel tem 48%, e Paes, 38%. Brancos e nulos são 11%, e 3% não souberam ou não responderam.

O Ibope ouviu 1.512 eleitores, entre 20 e 23 de outubro. A margem de erro é de três pontos porcentuais, e o nível de confiança de 95%. A pesquisa está registrada na Justiça eleitoral sob o número BR-07484/2018.

Continua após a publicidade

A pesquisa do Ibope divulgada nesta terça é a segunda após o primeiro turno, em 7 de outubro. No levantamento anterior, divulgado na última quarta-feira (17), Witzel tinha 51% dos votos totais, contra 34% de Paes. Brancos e nulos somavam 9%, e 5% não souberam ou não responderam.

O ex-juiz foi o mais votado no primeiro turno para o governo do Rio, com 41,28% dos votos, o que representa mais de 3 milhões de votos. Paes, que liderava as pesquisas antes do primeiro turno, ficou em segundo, com 19,56%, cerca de 1,5 milhão de votos.

O segundo turno acontece no próximo domingo (28).

O desempenho de Witzel no primeiro turno está ligado ao apoio que recebeu de Flávio Bolsonaro, filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), com quem dividiu palanques.

Continua após a publicidade

Flávio foi eleito senador com mais de quatro milhões de votos. Apesar do apoio do filho, Jair Bolsonaro, o candidato mais votado no primeiro turno para a Presidência da República, declarou neutralidade do Rio. Ele diz apoiar apenas os candidatos de seu partido nas eleições estaduais, em Santa Catarina, Rondônia e Roraima.

Publicidade