Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Filhos saem em defesa de Arthur Lira e acusam a mãe de tentar extorsão

Arthur Lira Filho e Ana Clara Lins alegam que ex-mulher do deputado requenta os ataques toda vez que o parlamentar tenta alçar voos mais altos na política

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 14h15 - Publicado em 22 jan 2021, 06h00

Candidato de Jair Bolsonaro à presidência da Câmara, o deputado Arthur Lira (Progressistas-AL) tem uma série de pendências na Justiça. No Supremo Tribunal Federal (STF), ele é réu em duas ações, acusado de integrar uma organização criminosa que teria saqueado os cofres da Petrobras e de receber propina de 106 000 reais de um esquema de corrupção na Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Expoente do chamado Centrão, Lira sempre rechaçou as acusações e nunca demonstrou muita preocupação com os impactos políticos desses processos. Na campanha para suceder a Rodrigo Maia (DEM-RJ), o que realmente lhe causa apreensão são as denúncias de sua ex-mulher Jullyene Lins, com quem foi casado durante dez anos. Em 2007, Jullyene processou o parlamentar por lesão corporal e relatou à Justiça ter sido espancada durante quarenta minutos com socos e pontapés. Em 2019, em entrevista a VEJA, afirmou que Lira tinha um patrimônio muito maior do que o declarado, obtido com propinas variadas e com um esquema de rachadinha quando era deputado estadual em Alagoas. A ex-mulher contou que ela mesma era funcionária-fantasma e, assim, participante da maracutaia.

“É uma extorsão. Toda vez que meu pai está em período de ascensão, ela está lá para descer o pau e tentar arrancar uma casca, um dinheiro.”

Essas duas denúncias foram arquivadas pela Justiça. No caso da lesão corporal, o STF decidiu pelo arquivamento porque a própria Jullyene recuou de seu depoimento inicial. Ela agora, no entanto, resolveu mudar de versão mais uma vez. Além de repetir que Lira embolsou o salário dela e de outros fantasmas na Assembleia de Alagoas, a ex-mulher alega que só mudou o depoimento no Supremo porque foi coagida. “Meu ex-­marido disse que, se eu não retirasse a denúncia, ele ia tirar meus filhos de mim”, alegou Jullyene, que cobra de Lira na Justiça mais de 600 000 reais em partilha de bens e pensões atrasadas. Diante das posições conflitantes externadas em público pelos antigos parceiros, os filhos do casal procuraram VEJA para dar a versão deles sobre o caso. Eles garantiram que a iniciativa partiu deles, e não de Lira, que enfrenta uma disputa acirrada pela presidência da Câmara. Em linhas gerais, Arthur Lira Filho e Ana Clara Lins (que, na verdade, é enteada do deputado e filha de Jullyene) alegam que as acusações da mãe deles são infundadas e requentadas por ela toda vez que o parlamentar tenta alçar voos mais altos na política. Jullyene, segundo os dois filhos, estaria em mais uma tentativa de extorsão.

Jullyene Lins, ex-mulher do parlamentar -
Jullyene Lins, ex-mulher do parlamentar – (//Arquivo pessoal)

“Me machuca muito a maneira como eles estão sendo envolvidos numa situação que não lhes cabe. Isso é um golpe baixo. Meus filhos passaram por uma lavagem cerebral.”

“É uma situação que já se arrasta há muito tempo. É quase um fantasma que a gente tem certeza de que existe e que vai dar uma puxadinha no nosso pé”, afirmou Arthur Filho, de 21 anos, que há quatro anos decidiu morar em Brasília com o pai. “Eu acho triste ter de vir a público contra um familiar para tentar dar um fim a essa história. Mas eu me senti na obrigação. É uma extorsão. Toda vez que meu pai está em período de ascensão, ela está lá para descer o pau e tentar arrancar uma casca, um dinheiro”, acrescentou. Lira e Jullyene se separam em 2006. Segundo o filho do casal, apesar da ação de cobrança de pensões atrasadas, nunca faltou nada para ele e para a irmã enquanto moraram com a mãe. Ana Clara Lins, de 24 anos, também reclama da situação: “É muito chato viver nessa bolha, nesse ciclo que não tem fim, porque ela sempre vem com algo distorcido, do passado, e que prejudica a família toda. Todo mundo acaba machucado”, afirmou. Em dezembro de 2019, Ana Clara foi contratada para um cargo na CBTU, a estatal que há anos vive sob influência de Lira e que lhe rendeu a acusação de recebimento de propina de 106 000 reais. Ana faz coro ao irmão: “O que acontece é que a minha mãe sempre quis tentar extrair dinheiro dele de alguma forma”.

Ana Clara Lins, enteada de Lira -
Ana Clara Lins, enteada de Lira – (//Arquivo pessoal)

“O que acontece é que a minha mãe sempre quis tentar extrair dinheiro dele de alguma forma.”

Os filhos não têm condições de tratar do mérito específico das acusações de lesão corporal e rachadinha, já que eram crianças quando tais episódios ocorreram. Ambos reconheceram que Jullyene sempre esteve em casa cuidando deles, o que, de certa forma, reforça o testemunho dela de que era uma funcionária-fantasma. Jullyene conversou com VEJA por telefone. Contou que vive com medo, teme sofrer retaliações e que, por isso, saiu de Maceió. A despeito do posicionamento dos filhos, mantém todas as acusações. “Me machuca muito a maneira como eles estão sendo envolvidos numa situação que não lhes cabe. Isso é um golpe baixo. Meus filhos passaram por uma lavagem cerebral”, declarou. “Se essa história perdura por tantos anos é porque o Arthur Lira realmente manda no Judiciário de Alagoas. Manda arquivar, botar na gaveta e abafar tudo”.

Mesmo sob a pressão da ex-mulher, Lira tem avançado na disputa pela presidência da Câmara. Na semana passada, ele conseguiu o apoio de 36 dos 53 deputados do PSL, partido que até então constava como parte da aliança de seu principal adversário, o deputado Baleia Rossi (MDB-SP). Fenômeno semelhante acontece no Solidariedade. Dos catorze deputados da legenda, que aderiu a Rossi, onze declararam apoio a Lira, que também garantiu a adesão do PTB. Até aqui, conquistar os votos dos colegas tem se mostrado mais fácil do que se livrar do passado personificado pela ex-mulher.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 27 de janeiro de 2021, edição nº 2722

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.