Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Fiel aliado de Lira, líder do PP vira peça-chave em negociações políticas

Indicado para assumir um ministério, deputado André Fufuca já foi cotado a outras importantes funções, mas acabou batendo na trave

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 30 jul 2023, 12h45

Em 2017, o então deputado de primeiro mandato André Fufuca (PP-MA) viveu momentos de fama ao assumir interinamente a presidência da Câmara dos Deputados. À época, Fufuca tinha apenas 28 anos, ocupava a cadeira de segundo vice da Casa e era considerado um pupilo de Eduardo Cunha (MDB-RJ), ex-deputado que encabeçou o processo de impeachment contra Dilma Rousseff e que acabou cassado e preso pela operação Lava-Jato.

Seis anos depois, Fufuca segue bem próximo às rodas de poder. Ele ocupa, pela segunda vez, a função de líder do Progressistas na Câmara e é braço-direito do presidente Arthur Lira e do senador Ciro Nogueira, dirigente de seu partido. De acordo com parlamentares que acompanham de perto a atuação do deputado, Fufuca atua como uma espécie de fio condutor das demandas de Lira e Nogueira no Parlamento. Além disso, sob sua gestão, o PP entrega mais de 80% de votos pró-governo na Câmara.

Por isso, nos últimos meses ele foi diversas vezes cotado a assumir postos de influência – mas, até aqui, acabou batendo na trave. Fufuca era tido o nome certo para presidir a CPMI do 8 de janeiro, mas, de última hora, foi preterido. Oficialmente, ele diz que recusou a indicação em decorrência da extrema polarização no Congresso.

O real motivo, porém, foi que Lira vetou a ida dele ao comando do colegiado, em uma estratégia para se descolar de eventuais desgastes provocados pelas investigações. Em outra frente, o presidente da Câmara deu andamento à CPI das Americanas, de autoria de Fufuca.

Continua após a publicidade

Formado em medicina, o deputado também foi cotado a assumir a relatoria do novo arcabouço fiscal, um dos projetos prioritários do governo Lula. O posto, no entanto, acabou sendo entregue a outro congressista do PP.

Agora, em meio às negociações ministeriais, o nome de Fufuca voltou a ganhar força. Ele foi o indicado de seu bloco partidário para assumir uma cadeira no alto escalão do governo – o ministério dos sonhos é o do Desenvolvimento Social, hoje comandando por Wellington Dias, adversário político de Ciro Nogueira no Piauí. Há dúvidas, no entanto, se Lula vai desalojar o petista para abrir espaço para o aliado de Nogueira, fiel seguidor do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Após manter tratativas com o chefe da Secretaria das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, há uma expectativa de que Fufuca e o presidente Lula se reúnam na próxima semana para tratar das mudanças. Pode ser, enfim, a consagração do jovem deputado neste ano.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.