Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ex-auxiliar de Youssef diz que Vaccari era ‘lobista de fundos de pensão’

Carlos Alberto Pereira da Costa afirmou que ex-tesoureiro do PT trabalhava para "influenciar" a aplicação dos recursos dos pensionistas

Por Laryssa Borges 27 out 2015, 15h40

O advogado Carlos Alberto Pereira da Costa, apontado como um dos principais auxiliares do doleiro Alberto Youssef, confirmou nesta terça-feira, em depoimento à CPI dos Fundos de Pensão, que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto atuava como uma espécie de “lobista de fundos de pensão” e trabalhava diretamente para “influenciar” a aplicação dos recursos dos pensionistas.

Ele relatou aos parlamentares que Vaccari frequentava o escritório de Youssef e detalhou um episódio em que foi pago 3 milhões de reais desviados de uma transação entre a CSA Project Finance – empresa que estava no nome do advogado, mas era controlada por Youssef – e a Siderúrgica Barra Mansa (SBM). De acordo com o depoente, o empresário Claudio Mente, da CSA, disse que Vaccari estava “por trás” da propina cobrada em transações da Petros.

“Vaccari atuava como lobista de fundos de pensão. A CSA procurou Vaccari para que ele abrisse as porta dos fundos de pensão”, disse à CPI.

João Vaccari Neto foi condenado a mais de 15 anos de prisão na Operação Lava Jato e responde a outras ações penais por suspeita de recebimento de propina de contratos fraudados na Petrobras. A Polícia Federal tem uma linha de investigação exclusiva para apurar irregularidades no fundo Petros.

Em depoimento prestado à Polícia Federal em agosto do ano passado, Pereira da Costa disse que atuou na venda de cédulas de crédito bancário (CCB) ao Petros, no valor de 13 milhões de reais,. Por meio de notas falsas de prestação de serviços, foram desviados 3 milhões de reais em propina.

À PF, o depoente havia informado que a propina tinha sido de 500.000 reais e destinada a Claudio Mente, Rubens de Andrade, Antonio Bahia, todos sócios da CSA, e funcionários da Petros, como o então gerente de Novos Negócios Humberto Pires Grault. A Polícia Federal avalia que a CSA foi uma das empresas utilizadas pelo doleiro Alberto Youssef para lavar parte do dinheiro de outro escândalo político – o mensalão.

Em nota, Humberto Pires Grault disse que nega “com indignação, a suspeita lançada de que teria recebido comissão pela operação”. “É uma mentira. A acusação, irresponsável e absolutamente desprovida de sentido, foi feita com base em declarações atribuídas a outra pessoa”, afirmou.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês