Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Doria dá ‘apoio total’ a Marconi Perillo para presidir PSDB

Prefeito espera ver governador de Goiás à frente do PSDB em cerca de dois meses; atual presidente, Tasso Jereissati é pressionado por aliados de Aécio Neves

Por Da Redação
Atualizado em 22 ago 2017, 15h07 - Publicado em 22 ago 2017, 14h27

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), cotado para ser candidato à Presidência da República em 2018, declarou nesta terça-feira que apoia o nome do governador de Goiás, Marconi Perillo, para presidir o PSDB. A convenção nacional do partido está marcada para dezembro. O presidente interino da sigla, senador Tasso Jereissati (CE), é pressionado pelo grupo de Aécio Neves (MG), presidente licenciado, a deixar o comando da legenda.

“Apoio total a Marconi Perillo para presidir o PSDB. Sem ferimentos a ninguém”, disse Doria. O prefeito da capital paulista também defende a antecipação da convenção nacional para outubro, o que, paradoxalmente, poderia prejudicar o plano dele de ver o aliado no cargo – Perillo preferiria assumir o posto mais perto da sua saída do governo de Goiás, prevista para abril. Doria e o goiano são amigos pessoais e conversam quase diariamente sobre a crise política e o PSDB

A proposta do prefeito não tem respaldo na Executiva tucana. Pelo calendário apresentado pelo partido, as convenções municipais da legenda acontecerão em outubro, as estaduais em novembro e as nacionais, em dezembro. Jereissati já disse a aliados que apoia a candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para a Presidência em 2018.

A ala do PSDB que defende o rompimento com o governo Michel Temer (PMDB) quer que Jereissati permaneça no comando do partido em caráter definitivo depois da convenção. O novo presidente do PSDB terá papel determinante na escolha do candidato presidencial.

Encontro

Um grupo de tucanos contrários à permanência de Jereissati à frente da sigla  – incluindo Perillo – se reuniu na noite desta segunda-feira na casa do deputado Giuseppe Vecci (GO), um dos vice-presidentes do partido, também cotado para assumir a presidência. Estiveram presentes os ministros das Cidades, Bruno Araújo, e da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, e um grupo de parlamentares.

Próximo a Aécio, o deputado Marcus Pestana (MG) falou abertamente sobre a articulação para que Jereissati deixe o comando do partido. “Infelizmente, caminhamos para um impasse. Tasso agiu por seis vezes em curto espaço de tempo contra a posição majoritária. Agora, ou ele se afasta e prevalece a visão da maioria, ou ele fica e o partido saí esfacelado do governo”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.