Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

CPI da Petrobras chega ao fim com série de constrangimentos ao Congresso

Dos roedores soltos durante sessão ao relatório que blindou políticos, colegiado encerra trabalhos de forma melancólica. E sem avançar um milímetro nas investigações

Quando foi indicado para a presidência da CPI da Petrobras, em fevereiro, o peemedebista Hugo Motta prometeu disputas políticas virulentas contra o PT caso qualquer cacique governista ousasse empastelar a comissão destinada a investigar o escândalo do petrolão. Em entrevista ao site de VEJA na ocasião, fez loas às virtudes do republicanismo e rejeitou o histórico conchavo corporativista do Congresso. Oito meses depois, o que se viu foi mais um exemplo de CPI que chega ao fim sem trazer à tona grandes revelações sobre aquilo que se propôs apurar. O colegiado se tornou mero instrumento político para embarreirar apurações de interesse da sociedade – e termina com a aprovação de um relatório vergonhoso do petista Luiz Sérgio, que se soma à lista de constrangimentos que a CPI da Petrobras representou para o Congresso. E para o país.

Os trabalhos da comissão chegaram ao fim melancolicamente na madrugada desta quinta-feira, sem avançar um milímetro nas investigações da Polícia Federal e do Ministério Público no âmbito da Operação Lava Jato. Não à toa, uma das frentes em que a CPI menos avançou foi justamente a apuração sobre os parlamentares investigados no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de participarem do esquema de corrupção. Pelo contrário, o que se viu foram sucessivas tentativas de desacreditar os delatores do escândalo, sobretudo os que narraram à força-tarefa da Lava Jato como políticos se beneficiaram dos desmandos na estatal – lista que inclui parlamentares como o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o ex-presidente Lula, ministros e ex-ministros do governo, além, é claro, de José Dirceu.

Ainda que as investigações indiquem que Dirceu tenha recebido 11,8 milhões de reais em propina ou que o Ministério Público suíço afirme que as quatro contas secretas de Cunha receberam 23,2 milhões de reais, nenhum político foi chamado a prestar esclarecimentos, com exceção do ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto. E o espectador ainda teve de ouvir o relator da CPI, Luiz Sérgio (PT-RJ), atacar a legitimidade da Operação Lava Jato, da Polícia Federal e do Ministério Público.

Ao longo de infindáveis 56 reuniões de trabalho, cada aprovação de quebra de sigilo servia de ribalta para deputados de pouca expressão tentarem segundos de notoriedade. Convocações como a do diretor-presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, estrategicamente nunca consolidadas, serviam de moeda de troca para blindagem de caciques intocáveis. A mise-en-scène escancarou-se em dois episódios: no constrangedor depoimento do empreiteiro Marcelo Odebrecht em 1º de setembro e na atuação de Celso Pansera (PMDB-RJ), que insistia em afrontar decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e pedir a quebra de sigilos bancários e telefônicos das filhas e da ex-mulher do doleiro Alberto Youssef. O peemedebista acabou brindado com o Ministério de Ciência e Tecnologia na recente reforma ministerial do governo Dilma.

Com o intuito de desacreditar os delatores, a empresa de espionagem Kroll foi contratada para encontrar inconsistências e contas secretas dos colaboradores as Justiça em uma estratégia que poderia colocar em xeque os depoimentos que eles deram contra políticos. O contrato foi rescindido sem resultados concretos.

Dado que os interesses dos parlamentares frequentemente se chocam com a apuração de denúncias, não é surpresa que a CPI termine dessa maneira. Essa tem sido, afinal, a regra no Congresso. Quando se está diante de um escândalo da proporção do investigado pela Lava Jato, contudo, o sentimento de frustração é ainda maior – se pudesse ser mensurado em números, seria comparável apenas às cifras bilionárias desviadas dos cofres da Petrobras.