Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Coordenador de curso critica protestos contra Moro em Portugal

Professor Uziel Santana diz que alunos têm 'argumentação pífia', já que maioria das decisões do juiz da Lava Jato foi acatada por instâncias superiores

As manifestações contra a presença do juiz Sergio Moro durante um curso na Universidade de Coimbra têm “argumentação pífia” e envergonham o Brasil. A avaliação é do advogado e professor Uziel Santana, coordenador do projeto de extensão “Transparência, accountability, compliance, boa governança e princípio anticorrupção”, que teve o juiz da Operação Lava Jato em Curitiba como docente de seu sétimo módulo, realizado nesta semana em Portugal (os outros seis ocorreram no Recife).

Durante a passagem de Moro pela cidade, muros da universidade foram pichados com mensagens que chamavam o juiz de “vândalo” e defendiam a investigação de seus “crimes”. A Associação de Pesquisadores e Estudantes Brasileiros em Coimbra (Apeb/Coimbra), que nega a responsabilidade pelas mensagens, enviou uma carta à coordenação do curso repudiando a participação do magistrado, que, segundo a entidade, tem atuação contestada em órgãos internacionais.

Protesto contra o juiz Sergio Moro na Universidade de Coimbra Muro da Universidade de Coimbra, em Portugal, pichado em ato contra o juiz Sergio Moro

Muro da Universidade de Coimbra, em Portugal, pichado em ato contra o juiz Sergio Moro (@esquerdabrasileiraemcoimbra/Facebook)

Para o professor Santana, as alegações não procedem. “O juiz Sergio Moro teve suas decisões acatadas tanto pelo Tribunal Regional Federal quanto pelo Supremo Tribunal Federal. Logo, é uma argumentação pífia dizer isso se os tribunais referendaram a atuação do juiz”, argumentou a VEJA.

“Mesmo se não fosse assim, estamos em uma universidade e devemos abrir o espaço para ouvir diferentes vozes”, completou. O docente dirige o Instituto Internacional de Pesquisas e Estudos Jurídicos em Liberdades Civis Fundamentais (FCL), entidade brasileira que promove o projeto em parceria com a universidade portuguesa.

O coordenador do curso contesta o fato de a associação de alunos não ter se incomodado com a presença de outro professor que poderia ser contestado por sua atuação política: Beto Vasconcelos, ex-secretário nacional de Justiça no governo Lula e ex-chefe de gabinete no governo Dilma Rousseff. “Quando nós tivemos professores alinhados com o que esses alunos pensam, nunca fizeram nada, nenhuma manifestação ou carta, na universidade”.

Uziel Santana argumenta que os protestos são, na sua visão, reflexo da “politização das ideias que contamina a universidade” e que estimulam casos como esses, de “patrulhamento ideológico”. O curso termina na próxima quinta-feira, quando os professores do projeto, incluindo Moro, devem assinar uma carta conjunta contra a corrupção. O documento será centrado, informa o professor, em tratar a corrupção “como um grande desafio global”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jorge Andrade

    Não há nenhuma novidade na manifestação dos discentes brasileiros que estudam na Europa. Comportamento absolutamente normal aos esquerdistas apoiadores da organização criminosa que assaltou o Brasil por treze anos. Socialistas brasileiros que estudam na Europa, passeiam em Paris e tem apartamento em New York.

    Curtir

  2. Paulo Roberto Correa Lima

    BRASILEIROS OU NÃO SÃO TODOS UM BANDO DE IDIOTAS.

    Curtir

  3. Paulo Roberto Correa Lima

    BRASILEIROS OU NÃO SÃO TODOS UM BANDO DE IDIOTAS.

    Curtir

  4. Paulo Roberto Correa Lima

    BRASILEIROS OU NÃO SÃO TODOS UM BANDO DE IDIOTAS.

    Curtir

  5. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Não é preciso raciocinar muito para chegar à conclusão que quem fez isso pe esquerdinha, petista…petralha!

    Curtir

  6. Marketing Digital

    A piada do papagaio não deu certo aqui. Foram para Portugal tentar contar ao Moro. Mas ele não riu. Petista é muito burro. Nem para papagaio conseguem contar piada.

    Curtir

  7. edley vieira ferreira

    LIXO PETISTA

    Curtir