Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Coordenador de curso critica protestos contra Moro em Portugal

Professor Uziel Santana diz que alunos têm 'argumentação pífia', já que maioria das decisões do juiz da Lava Jato foi acatada por instâncias superiores

Por Guilherme Venaglia Atualizado em 5 dez 2017, 21h56 - Publicado em 5 dez 2017, 18h02

As manifestações contra a presença do juiz Sergio Moro durante um curso na Universidade de Coimbra têm “argumentação pífia” e envergonham o Brasil. A avaliação é do advogado e professor Uziel Santana, coordenador do projeto de extensão “Transparência, accountability, compliance, boa governança e princípio anticorrupção”, que teve o juiz da Operação Lava Jato em Curitiba como docente de seu sétimo módulo, realizado nesta semana em Portugal (os outros seis ocorreram no Recife).

Durante a passagem de Moro pela cidade, muros da universidade foram pichados com mensagens que chamavam o juiz de “vândalo” e defendiam a investigação de seus “crimes”. A Associação de Pesquisadores e Estudantes Brasileiros em Coimbra (Apeb/Coimbra), que nega a responsabilidade pelas mensagens, enviou uma carta à coordenação do curso repudiando a participação do magistrado, que, segundo a entidade, tem atuação contestada em órgãos internacionais.

Protesto contra o juiz Sergio Moro na Universidade de Coimbra
Muro da Universidade de Coimbra, em Portugal, pichado em ato contra o juiz Sergio Moro @esquerdabrasileiraemcoimbra/Facebook

Para o professor Santana, as alegações não procedem. “O juiz Sergio Moro teve suas decisões acatadas tanto pelo Tribunal Regional Federal quanto pelo Supremo Tribunal Federal. Logo, é uma argumentação pífia dizer isso se os tribunais referendaram a atuação do juiz”, argumentou a VEJA.

“Mesmo se não fosse assim, estamos em uma universidade e devemos abrir o espaço para ouvir diferentes vozes”, completou. O docente dirige o Instituto Internacional de Pesquisas e Estudos Jurídicos em Liberdades Civis Fundamentais (FCL), entidade brasileira que promove o projeto em parceria com a universidade portuguesa.

O coordenador do curso contesta o fato de a associação de alunos não ter se incomodado com a presença de outro professor que poderia ser contestado por sua atuação política: Beto Vasconcelos, ex-secretário nacional de Justiça no governo Lula e ex-chefe de gabinete no governo Dilma Rousseff. “Quando nós tivemos professores alinhados com o que esses alunos pensam, nunca fizeram nada, nenhuma manifestação ou carta, na universidade”.

Uziel Santana argumenta que os protestos são, na sua visão, reflexo da “politização das ideias que contamina a universidade” e que estimulam casos como esses, de “patrulhamento ideológico”. O curso termina na próxima quinta-feira, quando os professores do projeto, incluindo Moro, devem assinar uma carta conjunta contra a corrupção. O documento será centrado, informa o professor, em tratar a corrupção “como um grande desafio global”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)