Clique e assine com 88% de desconto

Contrato de R$ 28,7 mi abre crise entre Ibama e ministro do Meio Ambiente

No Twitter, Ricardo Salles expõe valor do gasto, e presidente do órgão critica novo governo e cita ‘desconhecimento’; Bolsonaro comenta tuíte e depois apaga

Por Da Redação - 6 jan 2019, 21h21

Uma publicação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobre um contrato de R$ 28,7 milhões assinado pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) para a locação de carros, assinado no final do governo Michel Temer, abriu uma crise com a atual direção do órgão e fez até o presidente Jair Bolsonaro apagar um tuíte sobre o caso que havia publicado.

Tudo começou quando Salles reproduziu no Twitter um extrato de contrato do Ibama publicado no “Diário Oficial da União” em 10 de dezembro passado, com o seu comentário: “Quase 30 milhões de reais em aluguel de carros, só para o Ibama…”.

Reprodução/Reprodução

O extrato informava que o contrato era para a “locação de veículos utilitários, sem motorista, com fornecimento de combustível e pagamento mensal fixo mais quilometragem livre rodada”. O acordo é válido por um ano. A vencedora da licitação foi a Companhia de Locação das Américas.

Na sequência, Bolsonaro retuitou a postagem de Salles e acrescentou um comentário: “Estamos em ritmo acelerado desmontando rapidamente montanhas de irregularidades e situações anormais que estão sendo e serão comprovadas e expostas”.

Publicidade

E completou: “A certeza é que havia todo um sistema formado para principalmente violentar financeiramente o brasileiro sem a menor preocupação!”. Pouco depois, o presidente apagou o seu comentário, mas manteve o retuíte da postagem de Salles.

Reprodução/Reprodução

Logo na sequência, a presidente do Ibama, Suely Araújo, que foi indicada para o cargo por Temer, emitiu nota oficial, em nome do órgão, para contestar o ministro. “A acusação sem fundamento evidencia completo desconhecimento da magnitude do Ibama e das suas funções”, escreveu.

Na nota, o Ibama informa que o contrato “abrange 393 caminhonetes adaptadas para atividades de fiscalização, combate a incêndios florestais, emergências ambientais, ações de inteligência, vistorias técnicas etc., nos 27 estados brasileiros, e inclui combustível, manutenção e seguro, com substituição a cada dois anos”.

E completa: “O valor estimado inicialmente para esse contrato era bastante superior ao obtido no fim do processo licitatório, que observou com rigor todas as exigências legais e foi aprovado pelo TCU (Tribunal de Contas da União)”.

Publicidade

Ao final da nota, Suely Araújo afirma que “a presidência do Ibama refuta com veemência qualquer insinuação de irregularidade na contratação” e “espera, por fim, que o novo governo dedique toda a atenção necessária às importantes tarefas a cargo do Ibama, e não a criar obstáculos à atuação da autarquia”.

Em nota encaminhada ao jornal O Estado de S. Paulo, a Companhia de Locação das Americas afirma que “cumpriu todas as exigências estabelecidas” no edital. “Cabe ressaltar que são viaturas operacionais para atendimento nacional ao serviço de fiscalização e proteção do desmatamento de todo o território nacional”.

Bolsonaro é um frequente crítico das políticas ambientais adotadas no país – que considera “xiitas” e, já eleito, chegou a dizer que acabaria com a “festa” das multas do Ibama. “Não vou admitir mais o Ibama sair multando a torto e direito. Essa festa vai acabar”, disse em cerimônia na Academia Militar das Agulhas Negras.

O cargo de ministro do Meio Ambiente foi o último preenchido por Bolsonaro, que escolheu Salles para o posto exatamente pelo perfil dele, também crítico às políticas ambientais e à atuação de organismos e ONGs internacionais de meio ambiente no país.

Publicidade

Seguidores

Embora a maioria dos seguidores do ministro tenham aplaudido a iniciativa de expor o contrato, alguns deles questionaram a suspeita de irregularidade. “Ministro, essa questão das viaturas precisa melhor gerida. Como grande parte do trabalho é de campo, é preciso ter carros em condições de enfrentar estrada da área urbana para a rural sem estragar no meio do caminho, como era comum”, disse uma delas. Salles respondeu: “Sim, por isso chamei atenção para o valor, sem adentrar no mérito e necessidade, que veremos em breve”.

Publicidade