Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bolsonaro sobre diplomacia: ‘Quando a saliva acaba, entra a pólvora’

O presidente negou ter falado sobre a crise na Venezuela, mas avaliou que Maduro deixará o poder apenas quando o Exército do seu país estiver enfraquecido

Por Da Redação Atualizado em 3 Maio 2019, 19h30 - Publicado em 3 Maio 2019, 17h01

Em discurso durante a formatura de novos diplomatas graduados pelo Instituto Rio Branco, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) falou sobre sua visão das relações entre as Forças Armadas e a diplomacia em uma democracia. Ressaltando sua origem militar ele é capitão da reserva , Bolsonaro disse aos formandos ver as duas instituições como “opostas” mas “complementares” em um regime democrático.

“Quando os senhores falham. entramos nós, das Forças Armadas. E confesso que torcemos, e muito, para não precisar entrarmos em campo”, disse o presidente, colocando o uso da força militar como recurso a ser acionado após o fracasso de negociações diplomáticas.

Instado a explicar a declaração dada em entrevista a jornalistas, o presidente disse que “quando a saliva acaba, entra a pólvora”. Bolsonaro negou estar falando sobre a crise na Venezuela, com os movimentos da oposição para derrubar o ditador Nicolás Maduro. Ainda nesta semana, ele havia afirmado que o papel do Brasil é ir apenas “até o limite do Itamaraty”, rejeitando chegar às vias de fato.

Hoje, avaliou que, “se não enfraquecer o Exército da Venezuela, Maduro não cai”, sem explicar se o Brasil pode ter alguma participação em uma ação concreta nesse sentido. Apresentado pelo pai como alguém com o “dom” para os assuntos internacionais, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, avaliou que “Maduro não vai sair”, porque “ditadura só acaba na base da força”.

Continua após a publicidade

Argentina

Em sua fala, Bolsonaro voltou a comentar as eleições na Argentina, em outubro deste ano. O presidente disse que os vizinhos são “a preocupação de todos nós”, em razão de “quem poderá voltar a comandar aquele país”. É uma referência à ex-presidente e senadora Cristina Kirchner, provável candidata ao pleito e que lidera as pesquisas de intenção de voto.

Muito próxima ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e próxima à corrente política de esquerda que se convencionou chamar de bolivarianismo na América do Sul, Cristina poderia, na avaliação do presidente brasileiro, transformar a Argentina em algo semelhante ao país de Maduro. “Não queremos, e acho que o mundo todo não quer, uma outra Venezuela mais ao sul do nosso continente.”

Diretriz

No discurso, Bolsonaro encaminhou a “diretriz” que ele, como presidente, recomenda aos jovens diplomatas: a de buscar “um Brasil aberto aos grandes fluxos econômicos, capaz de conectar-se aos grandes centros tecnológicos, capaz de atrair investimentos e abrir mercados”.

Em um tom semelhante ao do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para quem o Itamaraty se afastou em parte dos valores da população brasileira, Bolsonaro orientou os recém-formados a que “busquem compreender o Brasil e defendê-lo”. O presidente também elogiou a escolha, pelos estudantes, de Aracy Guimarães como a patrona da turma. Durante a Segunda Guerra Mundial, Aracy facilitou a fuga para o Brasil de judeus perseguidos pelo regime nazista na Alemanha.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)