Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bolsonaro será garoto-propaganda de campanha por reforma da Previdência

Presidente. no entanto, vive situação controversa por ter direito a receber generosa aposentadoria como ex-deputado e acumulá-la com seu atual salário

Por Estadão Conteúdo - 15 jan 2019, 08h07

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) deve ser o garoto-propaganda para explicar à população os principais pontos da reforma da Previdência. A popularidade em alta do presidente é uma dos principais trunfos do governo para garantir a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) já no primeiro semestre do ano.

Para a equipe, o apoio de mais de 57 milhões de votos e a penetração que o presidente tem nos canais digitais (Twitter, Facebook, Instagram e Youtube) garante respaldo ao presidente para assumir a defesa da reforma e evitar os erros de comunicação assumidos pelo governo anterior.

O presidente não deve entrar em detalhes técnicos da proposta, mas vai reforçar a defesa dos pontos principais. Nos últimos dias, ele, inclusive, tem utilizado textos mais longos nas redes sociais para apresentar posicionamentos do governo e até mesmo nota oficiais.

Dilema

Com papel central na comunicação da reforma, Bolsonaro vive o dilema de poder se beneficiar do mais vantajoso regime de aposentadoria concedido a parlamentares.

Continua após a publicidade

Deputado federal por quase 28 anos, ele já está apto a solicitar benefício do Instituto de Previdência dos Congressistas (IPC), que é concedido a partir de 50 anos de idade e oito anos de mandato.

O salário integral de parlamentar é dado a quem completa 30 anos de contribuição para o sistema. O valor da pensão fica fora do teto do funcionalismo – ou seja, Bolsonaro pode acumular esse vencimento com o salário de presidente da República.

Sem contabilizar o valor recebido por Bolsonaro como capitão reformado do Exército, apenas a soma do valor da pensão como ex-deputado e do salário de presidente deve ser de pouco mais de 60.000 reais por mês.

Publicidade