Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em posse, Doria defende ‘nova política’ e reforça apoio a Bolsonaro

O governador fez um compromisso formal prometendo respeitar a Constituição Federal e a Constituição do Estado

João Doria (PSDB) é oficialmente governador de São Paulo. Ele foi empossado no cargo na manhã desta terça-feira, 1º, pela Assembleia Legislativa do Estado, em cerimônia de posse no Palácio 9 de Julho. Os deputados paulistas também deram posse ao vice-governador eleito, Rodrigo Garcia (DEM). Os dois fizeram um compromisso formal prometendo respeitar a Constituição Federal e a Constituição do Estado.

Em seu discurso, Doria declarou que governará com uma “nova política”, se comprometeu a doar o próprio salário a instituições de caridade – reforçando uma promessa de campanha – e defendeu a diminuição do papel do estado.

“Os brasileiros de São Paulo foram às urnas para confiar a todos nós, homens públicos do nosso querido estado, uma missão pelos próximos quatro anos: a missão de renovar a política. Temos o desafio de atender esse sentimento de que o Brasil, de fato, mudou. Conveniências pessoais não podem estar acima do interesse popular. O recado das urnas foi claro: não há mais espaço para governos dos políticos. A velha política, das mordomias, do cabide de empregos, da troca de favores, do desperdício do dinheiro público não cabe nesse sentimento da mudança”, disse o governador paulista.

Doria prosseguiu declarando que doará o salário de governador e viverá na própria casa, utilizando o Palácio dos Bandeirantes apenas para trabalhar, como forma de economizar recursos. O tucano, também, voltou a defender a redução do estado: “eu acredito que o melhor caminho para igualar as oportunidades é diminuindo o papel do estado e reduzindo o governo para cuidar do que é essencial para as pessoas. Enfatizo aqui o lema do fundador da escola Bauhaus de arquitetura: menos é mais. Menos governo e menos Estado, menos estatais e menos privilégios, é mais segurança, mais saúde, mais oportunidades”.

O governador reforçou, ainda, seu apoio ao presidente eleito Jair Bolsonaro, já exposto em sua campanha eleitoral. “Nosso governo não virará as costas para o Brasil. E o meu partido, o PSDB, também não vai virar as costas para o Brasil. Os partidos, como os governos, precisam de novas posições, novos compromissos, novos projetos. Vamos apoiar as iniciativas do presidente Bolsonaro que resultem no progresso do Brasil. Vamos apoiar a reforma da Previdência e o Pacto Federativo”, afirmou.