Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alvo de ação, assessor havia sido demitido por suspeita de fraude

Afastado pelo ex-ministro Brizola Neto (PDT), Anderson Brito havia voltado ao cargo pelas mãos de Manoel Dias (PDT)

Alvo da Operação Esopo da Polícia Federal, o assessor Anderson Brito foi readmitido pelo ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias (PDT), depois de ser dispensado, na gestão anterior, por suspeita de beneficiar o Instituto Mundial de Desenvolvimento e da Cidadania (IMDC).

Titular do ministério até março, o ex-ministro Brizola Neto (PDT) disse nesta segunda-feira que havia demitido Brito ao detectar suposta operação para direcionar os recursos de um convênio à entidade.

Segundo Brizola, o favorecimento ao IMDC começou quando o ministério firmou convênio com a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) para qualificar profissionais necessários aos serviços da Copa do Mundo 2014.

Leia também:

PF prende 22 pessoas por desvio de dinheiro público

Foragido da Justiça, assessor parlamentar atuava em esquema no Trabalho

Cerca de 22 milhões de reais chegaram a ser repassados à instituição. As regras da parceria previam, contudo, que a universidade deveria terceirizar os serviços a uma entidade ou empresa. O ex-ministro explica: “Nós demitimos, exoneramos, porque justamente pairava sobre ele a suspeita de estar induzindo o reitor da UFJF a fazer um edital completamente equivocado, que, na prática, direcionava um convênio para esse instituto, o IMDC. Cancelamos [o convênio], a universidade devolveu o dinheiro, e demitimos. Para minha surpresa, o Anderson foi readmitido”.

Denúncias – O ex-ministro Carlos Lupi pediu demissão em dezembro de 2011, em meio a denúncias de irregularidades no ministério. Interinamente, ficou em seu lugar o número 2, Paulo Pinto. Brizola o sucedeu em maio de 2012, mas, sem poder no PDT, deu lugar a Manoel Dias, apadrinhado de Lupi. Em troca, o partido daria apoio à presidente Dilma Rousseff em 2014.

Leia também:

Secretário do Ministério do Trabalho depõe na PF

Dias reassumiu a chefia do ministério em março passado e reabilitou Paulo Pinto, embora a CGU já apontasse o envolvimento dele em irregularidades. Brizola disse ter ficado surpreso com o volume de recursos sob suspeita de desvio.

“Agora está mais claro quais eram as divergências que eu tinha com o Lupi e com a direção do PDT. Uma das questões importantes, quando eu assumi, era colocar o Paulo Pinto como secretário. Não tinha como compactuar com aquelas suspeitas que pairavam sobre ele. Agora, a gente está vendo o resultado”, disse o ex-ministro.

O reitor da UFJF, Henrique Duque de Miranda, disse que as regras do edital foram sugeridas pelo ministério e que, após solicitação, a universidade concordou com o cancelamento da parceria. Segundo ele, a terceirização não era de interesse da instituição, que não tinha, naquele momento, condições de executar as atribuições previstas.

A reportagem não conseguiu contato com Lupi e Paulo Pinto. Também não conseguiu localizar o advogado de Anderson Brito. Apesar da expectativa de que Paulo Pinto pedisse afastamento do cargo, ele permaneceu na função.

Leia também:

Ministério suspende pagamento de ONG e exonera servidor investigado

(Com Estadão Conteúdo)