Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aécio anuncia seis coordenadores do programa de governo

Tucano afirma que "descentralização, eficiência, simplicidade, confiança, transparência e inovação" serão os pilares de um governo do PSDB

O pré-candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, anunciou nesta sexta-feira os nomes de coordenadores de seu programa de governo e os pilares de sua gestão, caso vença a disputa. Descentralização, eficiência, simplicidade, confiança, transparência e inovação são os termos que, segundo o tucano, expressões que resumem o que está sendo planejado para um futuro governo tucano. “É tudo que está faltando ao Brasil hoje”, disse, depois de se reunir com a equipe.

Foram anunciados o poeta Affonso Romano de Sant’Anna para a cultura; a assistente social Maria do Carmo Brant de Carvalho para políticas sociais; o sociólogo Claudio Beato para segurança pública; o fundador e coordenador do grupo AfroReggae, José Junior, para juventude; a ex-secretária do Estado de São Paulo Maria Helena Guimarães de Castro para educação; e o deputado Fábio Feldman para meio ambiente e sustentabilidade. Para cumprir a lei eleitoral, Aécio apresentará as principais diretrizes do programa no início de julho e anunciou que abrirá o portal do PSDB para receber propostas da sociedade.

Leia tambem:

Em São Paulo, PSDB e PSB se unem por ‘mudança nacional’

Aécio disse que segurança, educação e ação social são programas que caminham juntos no combate à pobreza, no enfrentamento à criminalidade e na formulação de uma política para os jovens. “Não são apenas contribuições individuais, eles vão ouvir os setores onde atuaram”, disse Aécio, que insistiu no lema da “mudança corajosa e segura que o Brasil espera”, rejeitando especulações sobre retrocesso, por exemplo, nos programas sociais.

Estavam presentes na reunião também o responsável pelas propostas na área de economia, ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, e o coordenador-geral do programa de governo, ex-governador de Minas Gerais Antonio Anastasia, candidato ao Senado.

Fraga evitou responder a perguntas específicas, como a política para reajuste da gasolina, para evitar “interpretação meio pobre”. “É cedo para centrar nesse nível de detalhe, ainda mais nesse ambiente altamente populista em que qualquer coisa que se fale sai do contexto”, disse o ex-presidente do Banco Central. “Estamos precisando rearrumar, reposicionar a economia para ela crescer, vamos procurar diminuir as incertezas para criar as condições para investir nas pessoas e crescer”, disse Fraga.

As equipes de economia, energia, desenvolvimento e trabalho da campanha tucana serão apresentadas futuramente. A responsável pelo capítulo de políticas públicas disse que a redução total da pobreza é uma meta a ser perseguida e prometeu continuidade e aprimoramento do Bolsa Família. “É um programa exitoso, foi aperfeiçoado nos governos Lula e Dilma e não vamos jogar isso no lixo em hipótese alguma”, afirmou Maria do Carmo.

(Com Estadão Conteúdo)