Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Wisconsin terá recontagem de votos das eleições nos EUA

Jill Stein, ex-candidata do Partido Verde dos Estados Unidos, entrou com o pedido de recontagem, que deve iniciar na próxima semana

A ex-candidata do Partido Verde à Presidência dos Estados Unidos, Jill Stein, apresentou nesta sexta-feira uma solicitação formal para a realização de uma recontagem dos votos em Wisconsin, um dos estados vencidos por Donald Trump. O presidente eleito obteve a vantagem de 0,7% dos votos contra Hillary Clinton na região.

A Comissão Eleitoral de Wisconsin informou pelas redes sociais que recebeu a solicitação de Stein, 90 minutos antes do fim do prazo para o pedido. As leis do Estado permitem realizar a recontagem de votos sempre que um dos candidatos à Presidência solicitar, desde que ele seja responsável pelos gastos envolvidos no processo. A própria candidata confirmou o pedido via Twitter e disse que o processo terá início na próxima semana.

Até a noite desta sexta, a equipe de Stein já arrecadou 5,3 milhões de dólares (18,1 milhões de reais) através de uma campanha online, valor necessário para pedir a recontagem em Wisconsin e na Pensilvânia, onde Trump ficou na frente por 1,2%. Lançada na última quarta, a campanha também pretende cobrir os custos para fazer o pedido em Michigan, onde os resultados parciais dão a vitória ao republicano por apenas 10.000 votos.

De acordo com a campanha de Stein, que obteve cerca de 1% do total de votos, há “provas convincentes” de “anomalias” na votação nos três estados, especialmente por usarem urnas eletrônicas. Segundo a ex-candidata, o objetivo da campanha “não é ajudar Hillary Clinton”. “Essas recontagens são parte de um movimento de integridade eleitoral para mostrar o quão não-confiável é o sistema eleitoral nos Estados Unidos”, afirmou Stein, através de seu site.

Uma mudança nos resultados dos três Estados poderia reverter a vitória de Trump e dar o posto na Casa Branca para Clinton, porém, a vitória apenas em Wisconsin não seria suficiente para ela, já que o Estado tem apenas dez votos no sistema de colégio eleitoral. Apesar de Trump ter se consagrado vencedor, Hillary supera o rival em mais de 2 milhões de votos populares na soma geral. Os números motivaram eleitores de Hillary a fazerem campanha pela recontagem, porém, a equipe da ex-secretária de Estado não fez menção de entrar com qualquer pedido. 

(Com EFE)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Vanessa Pereira

    Esperneia e chora, esquerdalha… Donald Trump irá governar. E agora que Fidel bateu as botas (nem saiu na Veja ainda mas já foi publicado no canal Terça Livre no Youtube), a praga vermelha será varrida da América Latina.

    Curtir

  2. Antonio Bragança Martins

    “manipulação de eleições”? Só se for pelos derrotados, que detinham a máquina eleitoral nas mãos! Que tal recontar os Estados onde Hilary ganhou? O sistema sempre foi bom, enquanto eles venciam! A esquerda e má perdedora em todo o mundo!

    Curtir

  3. Gian M. Bass

    Aceita a derrota que dói menos!………

    Curtir

  4. Marcos Binelli

    Que sirva de lição ao Brasil de que estas URNAS podem e são fajutadores de votação. É preciso acabar com esta palhaçada, e já…

    Curtir