Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Vice-presidente americana critica Israel e pede cessar-fogo em Gaza

Na declaração mais contundente dada por uma liderança dos EUA, Kamala Harris afirmou que o governo de Netanyahu deve impedir "catástrofe humanitária"

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 Maio 2024, 12h41 - Publicado em 3 mar 2024, 23h03

A vice-presidente americana Kamala Harris criticou o governo de Israel por não fazer o suficiente para impedir uma “catástrofe humanitária” em Gaza. Harris fez um apelo para um cessar-fogo imediato em Gaza, e pediu ao Hamas que aceite liberar os reféns em troca de uma pausa de seis semanas nas hostilidades.

A maior parte dos comentários, no entanto, foi direcionada a Israel e ao governo de Benjamin Netanyahu. “Pessoas em Gaza estão morrendo de fome. As condições são desumanas e a nossa humanidade nos compele a agir”, afirmou ela. “O governo israelense precisa fazer mais para aumentar significantemente o fluxo de ajuda humanitária. Sem desculpas“, concluiu, na declaração mais contundente contra Israel feita por uma liderança norte-americana até agora.

Os Estados Unidos têm sofrido maior pressão para ajudar a costurar um cessar-fogo depois que o governo israelense matou mais de cem palestinos que estavam em fila para receber comida, na quinta, 29. O presidente americano, Joe Biden, afirmou que faria mais, mas não detalhou como pretende fazer. Desde o episódio, diversos líderes mundiais se manifestaram a favor de um cessar-fogo imediato.

Neste domingo, 3, a negociação para uma trégua nos combates na Faixa de Gaza foi retomada. Uma delegação do Hamas, liderada pelo vice-chefe Khalil Al-Hayya, viajou até o Cairo, capital do Egito, para entregar uma resposta oficial à proposta formulada pelos países mediadores e pelos negociadores israelenses no fim de janeiro. Uma autoridade americana garantiu que um acordo de cessar-fogo está sobre a mesa  e que “a bola está no campo do Hamas”, segundo a Agência AFP. Israel não confirmou sua aprovação desse plano.

A declaração de Kamala Harris foi feita durante um discurso realizado na frente da ponte Edmund Pettus, em Selma, no Alabama. O local tem um grande significado na luta pelos direitos civis. Há quase seis décadas, a polícia americana espancou manifestantes que organizaram uma marcha pacífica. O discurso relembrou o aniversário de 59 anos do Domingo Sangrento, como o episódio ficou conhecido.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.