Clique e assine a partir de 8,90/mês

Venezuela: morre a Miss alvejada na cabeça em protesto

A família de Génesis Carmona, de 22 anos, comunicou que a estudante não resistiu aos graves ferimentos. É a quinta morte registrada nas manifestações

Por Da Redação - 19 fev 2014, 13h21

(Atualizado às 14h41)

Uma jovem estudante venezuelana de 22 anos morreu nesta quarta-feira após ser baleada na cabeça durante uma manifestação contra o governo de Nicolás Maduro na terça-feira, informou a agência de notícias Reuters. Segundo o jornal La Nación, Génesis Carmona, aluna de Marketing da Universidade Tecnológica do Centro, no Estado de Carabobo,também era modelo e foi eleita, no ano passado, Miss Turismo de Carabobo. Ela foi levada ao hospital em uma motocicleta e chegou a ficar internada em coma. Mas, de acordo com a família, a estudante não resistiu aos graves ferimentos.

Carmona é a quinta vítima fatal decorrente dos protestos contra o governo venezuelano. Na terça-feira, um estudante morreu após ser atropelado por um veículo da companhia estatal Petróleo de Venezuela S.A. (PDVSA). Outras três mortes foram registradas na última quarta.

Leia também

Human Rights Watch critica prisão de opositor de Maduro

Morre mais um estudante na Venezuela

Em dia de novos protestos, Venezuela fica sob tensão

Partido opositor venezuelano denuncia invasão à sede

‘Venezuela não é a Ucrânia’, diz Maduro sobre protestos

Carmona participou nesta terça-feira de uma marcha em Valência, cidade a 170 quilômetros de Caracas, para apoiar o líder da oposição Leopoldo López, que foi preso em Caracas em meio a um clima de forte tensão no país. Em determinado momento, um grupo de motoqueiros armados invadiu a área em que a jovem e seus companheiros protestavam pacificamente e começou a atirar, disseram testemunhas.

Continua após a publicidade

Nove jovens foram atingidos pelos disparos, mas apenas Génesis corria o risco de morrer. Médicos da clínica Guerra Mendez disseram que a bala estava alojada na parte traseira do crânio da jovem. Um edema formado pelo trauma dificultava uma intervenção cirúrgica.

Leia mais:

Ex-miss Venezuela e marido são mortos durante assalto

Segundo o jornal argentino, a notícia da miss baleada foi ignorada pelos meios de comunicação do governo venezuelano, mas correu rapidamente através do Twitter e outras redes sociais. Fotos e vídeos de Génesis sendo socorrida e carregada foram compartilhados para criticar a violência das milícias que defendem o governo e pedir doação de sangue para a estudante.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade