Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Vai ter guerra? Entenda como funciona o belicismo de Trump

Trump confiou em generais aposentados e deu liberdade de ação para eles

Por Johanna Nublat e Luiza Queiroz Atualizado em 28 abr 2017, 14h19 - Publicado em 27 abr 2017, 21h22

Depois de um longo passeio de um porta-aviões, tiros de canhão, tuítes raivosos e uma reunião extraordinária com senadores na Casa Branca, o presidente americano Donald Trump veio a público para dizer que a solução do conflito com a Coreia do Norte será pela via diplomática e por sanções econômicas. Por enquanto, não haverá guerra.

A sensação de que um conflito é iminente, contudo, faz sentido e ainda não foi totalmente descartada.

O conhecimento de como Donald Trump pensa os conflitos internacionais e se relaciona com os especialistas no assunto, ao menos, empurra essa possibilidade para mais tarde.

“É difícil entender a política externa da administração de Trump por causa de sua incoerência. Eles não têm experiência nessa área e também não têm objetivos claros na política internacional” diz David Mislan, professor de relações internacionais da Universidade Americana, em Washington.

A boa notícia é que, para compensar sua inaptidão no ramo, Trump confiou em generais com vasta experiência como James Mattis, John Kelly e, mais recentemente, H. R. McMaster.

“Trump não está tomando riscos sem cálculos. Ele colocou muita confiança em pessoas com bastante experiência militar. Uma das primeiras coisas que seu time de segurança nacional fez, depois que McMaster entrou, foi avaliar e dizer em quais áreas era possível assumir um risco maior”, afirma Peter Feaver, cientista político da Universidade Duke.

Continua após a publicidade

Os generais também ganharam mais independência de ação. Na bomba MOAB (mãe de todas as bombas) que destruiu uma base do Estado Islâmico no Afeganistão, Trump provavelmente não foi consultado de antemão.

Nos casos mais delicados, os generais dizem ao presidente quais são as opções disponíveis e indicam qual delas tem a preferência dos fardados.

“Até agora, Trump teve poucas decisões desse tipo para tomar, mas quando lhe deram opções, ele seguiu aquela que contava com a preferência dos militares’”, diz Peter Feaver, da Universidade Duke.

A decisão final sobre o que fazer, portanto, não é totalmente aleatória. Ainda que não faça parte de uma estratégia mais ampla, ela segue alguns critérios. 

“Trump tem que aprender a arte de fazer acordos em uma arena diferente com a qual ele está acostumado. Então ele tem uma curva de aprendizado grande. Mas quando ele aprender o jogo melhor, ele pode ser um pouco mais ativo no final de seu mandato do que muitos presidentes são”, diz Sean Gailmard, professor de ciência política na Universidade da Califórnia, em Berkeley.

Apesar de todo o susto, pode ser que Trump esteja aprendendo alguma coisa sobre o mundo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês