Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

União Europeia aprova teto de preço do petróleo russo

Medida fará com que o barril de petróleo da Rússia seja comprado a, no máximo, US$ 60, para limitar o financiamento da guerra contra a Ucrânia

Por Da Redação
Atualizado em 2 dez 2022, 15h10 - Publicado em 2 dez 2022, 14h20

A União Europeia aprovou nesta sexta-feira, 2, uma medida para estabelecer um preço máximo de US$ 60 (R$ 315,00) por barril de petróleo russo, de acordo com o embaixador da Polônia no bloco. A política elaborada pelo G7 tem como objetivo limitar a receita da Rússia, para minar o financiamento da guerra contra a Ucrânia, e evitar um choque global do produto. 

Em Bruxelas, as negociações para se chegar a um acordo final foram controversas e duraram mais de uma semana. Como o embargo do bloco à grande maioria das importações de petróleo russo entra em vigor em 5 de dezembro, o preço definido será aplicado a compradores de fora da região.

+ Guerra da Ucrânia mostra que Europa depende demais dos EUA, diz Finlândia

O limite deve gerar descontos no petróleo do país em comparação com alternativas de outras partes do mundo. O novo valor é um pouco menor do que pagam atualmente os grandes parceiros do Kremlin, como Índia e China, mas não se aplicaria se os compradores enviassem as cargas por meio de empresas de países fora do bloco europeu.

No entanto, a medida dificilmente causará um rombo significativo nas receitas do petróleo da Rússia, que são essenciais para manter ativa a guerra na Ucrânia. 

Continua após a publicidade

Além da política de teto sobre o preço do barril, diplomatas da União Europeia também concordaram em lançar uma nova rodada de sanções contra os russos neste fim de semana, visando a economia do país e indivíduos relevantes para o governo. A promessa foi fundamental para a aprovação do novo valor do petróleo, já que vários países pró-Ucrânia mais linha dura, como a Polônia, não acham que a medida é suficiente. 

Legisladores poloneses também negociaram com sucesso uma revisão regular desses valores, de modo a garantir que esteja sempre alinhado com o mercado, com a primeira correção marcada para 15 de janeiro. Como o preço do produto costuma não ser claro, o comitê irá se basear na Agência Internacional de Energia para fazer os cálculos. 

+ Após aceno de Biden, Putin se diz aberto a solução diplomática na Ucrânia

Sob o novo sistema, clientes poderão continuar comprando petróleo da Rússia, desde que paguem menos do que o preço máximo acordado. O plano coloca o ônus de impor e policiar o teto de preços sobre as empresas que ajudam a vender o petróleo, como companhias de navegação e seguros globais, que são sediadas principalmente na Europa.

Continua após a publicidade

Caberá então às empresas marítimas europeias garantir que o petróleo transportado para fora do continente atenda às condições estabelecidas pelo bloco. Caso contrário, elas poderão ser responsabilizadas legalmente por violar as sanções. 

Em resposta, o Kremlin disse repetidas vezes que irá se recusar a vender o petróleo sob o sistema de preço máximo. No entanto, cerca de 55% das petroleiras que transportam o produto para fora do território russo são gregas e as principais seguradoras estão alocadas no Reino Unido e na União Europeia. 

+ Rússia diz que infraestrutura nuclear será prioridade em 2023

Empresas em outras partes do mundo até oferecem serviços semelhantes, e a Rússia os utiliza, mas realocar todas as suas exportações para fornecedores alternativos provavelmente seria mais caro e menos seguro para os compradores.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.