Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tunísia elege primeiro presidente após queda de Ben Ali

Moncef Marzuki, antigo opositor da ditadura, vai nomear islamita para premiê

A Assembleia Nacional Constituinte da Tunísia elegeu nesta segunda-feira o líder do partido Conselho Pela República (CPR), Moncef Marzuki, o novo presidente do país. A eleição de Marzuki, antigo opositor do regime de Zine el Abidine Ben Ali, ocorreu após uma votação na qual ele concorreu como candidato único, respaldado por um acordo entre as principais forças políticas tunisianas que prevê a divisão dos principais cargos do país após a queda do ex-ditador, no último mês de janeiro.

O novo presidente tunisiano, cujo partido é de esquerda, teve o apoio das outras duas forças majoritárias na assembleia, o movimento islâmico Enahda e o partido Atakatol. Ele foi eleito com o apoio de 153 dos 202 parlamentares presentes, enquanto três votaram contra, 44 em branco e dois se abstiveram.

Leia também:

Leia também: Tunísia: berço da Primavera Árabe vai às urnas pela 1ª vez

Após sua nomeação, Marzuki pronunciou um breve discurso no qual agradeceu o apoio dos legisladores, que qualificou como “um apoio ao Estado, ao Parlamento e à Revolução”. “A confiança é o que distingue a nobreza do ser humano”, disse o novo presidente, que insistiu que a democracia “não é uma questão de maioria ou minoria, mas de confiança”.

Conforme o acordo político selado pelo CPR, Enahda e Atakatol, Marzuki deverá designar como novo primeiro-ministro para a formação de um governo de transição o islamita Hamadi Jebali, número dois do Enahda. Nesta terça-feira, o presidente deve fazer um discurso no qual abordará as principais linhas políticas do seu mandato.

Além de Marzuki, outras oito pessoas tentaram se apresentar à eleição, mas não conseguiram o apoio mínimo necessário de 15 membros da câmara legislativa. Um dos candidatos, que cumpria o requisito das 15 assinaturas, não possuía a idade mínima de 35 anos, segundo estipula a “mini Constituição” de 26 artigos aprovada na noite de sábado pela Assembleia Constituinte da Tunísia.

(Com agência EFE)