Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Trump: se Irã atacar americanos, EUA enviará força militar sem hesitação

Segundo o presidente americano, país gasta trilhões de dólares em equipamentos militares e tem a melhor força militar do mundo

Por da Redação - Atualizado em 7 jan 2020, 09h52 - Publicado em 5 jan 2020, 09h28

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou novamente o Twitter para subir o tom contra o Irã. Após dizer que o governo americano tinha 52 alvos para atacar os iranianos em caso de retaliação a morte do general iraniano Qasem Soleimani, o presidente dos EUA afirmou na madrugada deste domingo, 5, que o país gasta 2 trilhões de dólares em equipamentos militares e, se o Irã atacar bases ou cidadãos americanos, ele não hesitará em enviar “esses novos e bonitos equipamentos” .

A tensão entre Estados Unidos e Irã disparou na última quinta-feira após um bombardeio por drones autorizado por Trump matar o general iraniano Qassem Soleimani, considerado herói e a segunda pessoa mais poderosa do Irã. Em entrevista coletiva na última sexta-feira, Trump disse que o ataque que matou o militar já deveria ter acontecido há muito tempo, mas ponderou dizendo que o país não quer começar uma guerra. O Pentágono afirmou que Soleimani representava ameaça iminente aos Estados Unidos.

O corpo do general iraniano chegou ao país neste domingo, após milhares de pessoas acompanharem o cortejo em Bagdá, capital do Iraque, onde foi morto. O corpo de Soleimani deve passar por diversas cidades do Irã. Na passagem pela cidade de Ahvaz, no sudoeste do país e na fronteira com o Iraque, milhares de pessoas acompanhavam o funeral em meio a gritos de “Morte à América” e também protestos contra Israel e Arábia Saudita, aliados dos Estados Unidos. Na sexta-feira, líderes iranianos haviam prometido vingança à ação americana.

Mais cedo pelo Twitter, Trump voltou a classificar Soleimani, comandante de uma unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã e considerado a segunda autoridade mais importante do país, como um “líder terrorista” que matou um americano e feriu “muitos outros”.

 

Publicidade