Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Trump retira Steve Bannon do Conselho de Segurança

A saída de Bannon no Conselho de Segurança reforça autoridade de H.R.McMaster, novo assessor de segurança nacional do presidente

Por Da Redação Atualizado em 5 abr 2017, 16h32 - Publicado em 5 abr 2017, 16h00

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou do Conselho de Segurança da Casa Branca o polêmico Steve Bannon, seu chefe de estratégia política. O movimento é parte da reorganização do órgão encarregado de tratar as crises no exterior, tradicionalmente reservado para a cúpula militar, de inteligência, diplomática ou científica.

A decisão inicial de Trump de incluir Bannon nesse órgão  tinha gerado controvérsia, já que se tratava da primeira vez que um assessor político como Bannon, que carece de experiência prévia em matéria de política externa, foi incluído como convidado permanente destas reuniões de Segurança Nacional.

A saída de Bannon, reforça a hierarquia do general H.R. McMaster, nomeado há um mês e meio como assessor de segurança nacional do presidente em substituição ao também general Michael Flynn, que teve de renunciar após serem revelados seus vínculos com a Rússia. McMaster conta agora com autoridade para estabelecer a agenda e calendário de encontros do conselho.

Dentro desta reestruturação, o diretor de Inteligência Nacional, Dan Coats, e o chefe do Estado-Maior Conjunto, o general Joseph Dunford, voltam a ser “participantes regulares”, já que em um primeiro momento falava-se que participariam somente “quando fossem debatidos temas relacionados com suas responsabilidades e experiências”.

Darth Vader da política

Bannon se estabeleceu em seus primeiros dias na Casa Branca como o cérebro de um plano político agressivo destinado, segundo suas palavras, a acabar com a “ordem” estabelecida e pôr o sistema de pernas pro ar. É tido como o responsável por decisões como o decreto para barrar temporariamente a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos e de refugiados de qualquer parte do mundo e para acelerar a construção do muro na fronteira com o México. Sua grande influência na Casa Branca gerou suspeitas no Congresso e em círculos diplomáticos, dado seu papel pouco tradicional.

Aos 63 anos, Bannon teve uma diversificada carreira profissional antes de tornar chefe da campanha eleitoral de Trump: de oficial da Marinha passou a trabalhar em finanças no Goldman Sachs; posteriormente foi investidor audiovisual e, finalmente, em 2012, foi nomeado presidente do “Breitbart News”, veículo de extrema direita americana. Em entrevistas, o estrategista gosta de definir-se como o “Darth Vader” (famoso vilão da saga “Star Wars”) da política americana.

(com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês