Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Trump comprou foto gigante de si próprio com dinheiro de caridade

Retrato de quase 2 metros custou 20.000 dólares. Fundação Trump é investigada pela procuradoria de Nova York

Por Da redação Atualizado em 14 set 2016, 18h54 - Publicado em 14 set 2016, 07h54

O procurador-geral do Estado de Nova York, Eric Schneiderman, abriu uma investigação contra a Fundação Donald J. Trump por algumas de suas transações. Segundo o jornal Washington Post, um dos gastos questionáveis do magnata imobiliário foi a aquisição de um retrato de si próprio de quase 2 metros de altura pelo valor de 20.000 dólares (mais de 70.000 reais) com dinheiro da fundação destinado para caridade.

“Estamos preocupados que a Fundação Trump tenha cometido alguma prática irregular”, disse Schneiderman, em uma entrevista à emissora na noite desta terça-feira CNN. O procurador nova-iorquino acrescentou que o objetivo da investigação é “assegurar que a fundação está cumprindo com as leis que regem instituições de caridade em Nova York”. O jornal The Washington Post publicou diversos artigos nos últimos dias destacando transações suspeitas da Fundação Trump.

Leia também
Hillary Clinton confessa: ignorou conselhos de médicos
Apoiadores de Trump dizem que Hillary usou dublê após mal-estar
Ideias “loucas” de Trump devem ser desafiadas, diz Obama

A fundação também fez uma doação ilegal de 25.000 dólares (mais de 80.000 reais) em 2013 para a campanha de Pam Bondi pela procuradoria-geral da Flórida. Pam estudava a possibilidade de uma investigação por fraude contra a Universidade Trump e desistiu após receber a doação.

Schneiderman também investiga as contas da Universidade Trump por suspeita de usar indevidamente fundos de 40 milhões de dólares (mais de 100 milhões de reais) que deveriam ser gastos em implementações para o ensino e para beneficiar alunos da instituição. De acordo com o Yahoo! News, a Fundação Trump doou 100.000 dólares (360.000 reais) para a organização Citizens United, que entrou com uma ação contra Schneiderman por investigar a universidade.

(Com agências EFE e Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)