Clique e assine com até 92% de desconto

Trump chama governadores de ‘fracos’ e cobra controle das manifestações

Presidente americano disse que políticos "irão parecer um bando de idiotas" se não coibirem os protestos pela morte de George Floyd

Por Da Redação Atualizado em 3 jun 2020, 12h27 - Publicado em 1 jun 2020, 14h51

O presidente americano Donald Trump se reuniu nesta segunda-feira, 1º, com os governadores estaduais e cobrou que os colegas dominem os manifestantes que tomam as ruas do país há uma semana, em reação à morte de George Floyd, o homem negro que foi sufocado por um policial quando estava desarmado, em Mineápolis, no último dia 25. Trump, que nos últimos dias chegou a se refugiar em um bunker no subsolo da Casa Branca durante os confrontos entre manifestantes e policiais do lado de fora, chamou alguns governadores de “fracos”. 

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

“Vocês precisam dominar a situação. Se não dominarem, estarão perdendo o seu tempo. Eles irão te atropelar. Vocês irão parecer um bando de idiotas. Vocês devem prender e julgar as pessoas”, esbravejou Trump durante videoconferência, informaram diversos meios de comunicação americanos que tiveram acesso ao áudio, como a CNN. O presidente dos Estados Unidos voltou a responsabilizar a “esquerda radical” pelos protestos. “É um movimento que, se não for contido, vai ficar pior e pior. Ele só vai funcionar se vocês forem fracos e muitos de vocês são fracos.”

  • As manifestações já deixaram ao menos seis mortos e se espalham por 140 cidades, com relatos de saques a lojas e incêndios. Vinte e um estados já pediram a intervenção da Guarda Nacional e, no domingo, Trump anunciou que classificará a organização antifascista Antiga, que vem participando ativamente dos protestos, como terrorista. Ele prometeu reforçar a segurança na Casa Branca. “Washington esteve sob um controle muito bom, mas nós teremos muito mais controle. Nós vamos deslocar milhares de pessoas. Nós vamos reprimi-los com muita, muita força.”

    Na reunião, Trump chegou a trocar farpas com o governador de Illinois, J.B Pritzker, que há três dias chamou o presidente de “racista, misógino e homofóbico. “A retórica vindo da Casa Branca está piorando as coisas, as pessoas estão sofrendo. Temos de ter uma liderança nacional que peça calma e legitime as preocupações dos manifestantes”, afirmou o democrata Pritzker. Trump, então, rebateu. “Também não gosto muito da sua retórica. Você poderia ter trabalhado melhor no combate ao coronavírus.”

    Atos violentos foram registrados no último fim de semana. Em Los Angeles, na Califórnia, a polícia usou balas de borracha e artefatos similares e chegou a atropelar manifestantes; prédios e lojas foram saqueados e depredados e um policial foi baleado. Na Filadélfia, no estado da Pensilvânia, manifestantes e policiais também entraram em confronto.

    Trump ainda pediu que os governadores criem leis para proibir que bandeiras americanas sejam incendiadas. Durante a Guerra do Vietnã, em 1968, uma legislação semelhante chegou a ser implementada, mas foi revertida pela Suprema Corte, por ser considerada inconstitucional e contrária à liberdade de expressão.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade