Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Tribunal da Argentina culpa Irã por atentado contra centro judaico em 1994

Ataque contra Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA), em Buenos Aires, é considerado ato terrorista mais fatal da história argentina, com 85 vítimas

Por Da Redação
Atualizado em 8 Maio 2024, 13h20 - Publicado em 12 abr 2024, 15h27

A Câmara Federal de Cassação Penal da Argentina, o mais alto tribunal criminal do país, culpou o Irã pelo atentando à bomba na Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA), em Buenos Aires, em julho de 1994. O veredito foi divulgado na quinta-feira, 11, através de documentos judiciais que definem o ataque orquestrado pelo Hezbollah, organização paramilitar fundamentalista islâmica, e por altos funcionários do governo iraniano como “crime contra a humanidade”. Trata-se do ato terrorista mais fatal da história argentina, com 85 vítimas e centenas de feridos.

“O ataque à sede da A.M.I.A.-D.A.I.A. Veio de uma manifestação diferente de escatologia política e religiosa. Foi mais uma das ameaças concretas e projetadas no futuro contra o Ocidente, estrategicamente concebida para impedir a sua ‘integração’, destruir a sua moralidade e minar a sua resiliência na conservação dos valores judaico-cristãos e democráticos fundacionais como a igualdade perante o direito, respeito às diferenças, laicidade, liberdade de consciência e expressão, entre outros”, afirmou o texto da decisão.

A deliberação afirma que  tanto o ataque contra a Embaixada de Israel na Argentina, em 1992, que deixou 22 mortos, quanto a explosão na AMIA teriam como objetivo cumprir com “um desígnio político e estratégico” do Irã, concluíram os juízes. A acusação contra Teerã, que nega a participação, é antiga. Embora a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) tenha emitido mandados de prisão, o Irã impede a extradição dos culpados para a Argentina. Ao todo, sete iranianos e libaneses estão na lista vermelha da Interpol por participação no atentado.

+ Argentina e Colômbia buscam reconciliação após ataque de Milei a Petro

Continua após a publicidade

Reação à decisão

Em resposta, organizações judaicas destacaram que o veredito desta quinta-feira é “histórico” por permitir que familiares das vítimas coloquem, mais uma vez, o Irã no banco de réu. Eles podem demandar reparação integral pelo “dano causado (moral e material), mediante, entre outras medidas, uma indenização pecuniária”, de acordo com a sentença.

Em comunicado, o presidente da Argentina, Javier Milei, afirmou que o anúncio “põe fim a décadas de postergação e acobertamento, determinando que os ataques contra a Embaixada de Israel e a Amia foram perpetrados pelo Hezbollah, sob os auspícios de organizações estatais da República Islâmica do Irã” e que “em 10 de dezembro de 2023 [data de posse de Milei] terminou a era da impunidade na República Argentina”. A provocação faz referência ao suposto encobrimento da ex-presidente Cristina Kirchner ao assinar um memorando com o Irã, em 2013.

Menos de 24h após o parecer do tribunal, o governo da Argentina elevou alertas antiterrorismo e incrementou a segurança no país, especialmente em aeroportos, instituições religiosas judaicas e Embaixadas. Para pôr o plano em prática, a ministra da Segurança, Patrícia Bullrich, e o secretário de Estado na área, Vicente Ventura Barreiro, participaram de uma reunião nesta sexta-feira, 12. Ainda não se sabe se a Casa Rosada optará por romper relações diplomáticas com o Irã.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.