Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Terroristas de Londres serão julgados em novembro

Michael Adebolajo e Michael Adebowale destroçaram o soldado Lee Rigby

Michael Adebolajo e Michael Adebowale, acusados do assassinato do soldado britânico Lee Rigby em 22 de maio, em Londres, serão julgados a partir de 18 de novembro no tribunal penal de Old Bailey, decidiu nesta sexta-feira a Justiça britânica.

Leia também:

Leia também: Ataque em Londres lembra ação de irmãos em Boston

O julgamento foi marcado após um breve depoimento de ambos, através de videoconferência, da prisão de segurança máxima de Belmarsh, no sudeste de Londres, onde estão presos. Adebolajo, de 28 anos, e Adebowale, de 22, ambos britânicos de origem nigeriana, são acusados de assassinar Rigby, de 25 anos, nos arredores de seu quartel militar no bairro londrino de Woolwich há pouco mais de um mês.

Selvageria – Tanto Adebowale como Adebolajo foram filmados e fotografados por testemunhas que passavam pelo local no dia do ataque. Pouco depois de mutilar Rigby usando facas de açougueiro, Adebolajo foi filmado, com um celular, por uma testemunha: “Nós juramos por Alá que nunca deixaremos de lutar contra vocês. O único motivo pelo qual fizemos isso é porque muçulmanos morrem todos os dias”, disse, ainda com sangue nas mãos.

Adebolajo cresceu em uma família católica e se converteu ao islamismo em 2003, quando adotou o nome Mujaheed. Nos encontros de um grupo radical banido da Inglaterra em 2010, seu maior interesse era saber em que situações o uso da violência poderia ser justificado.

Apesar de inicialmente serem considerados “lobos solitários”, expressão usada para designar militantes que não pertencem a organizações terroristas, criminosos como Adebolajo e Adebowale ou ainda como os irmãos chechenos Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev, responsáveis pelo atentado em Boston, não brotam espontaneamente do nada. Eles têm ligações com radicais dentro e fora de seu país de residência. E, muitas vezes, estiveram no radar dos serviços de inteligência. O desafio é flagrar um muçulmano radical antes que ele decida cometer um atentado.

(Com agência EFE)