Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Suu Kyi, ex-líder do Mianmar, é condenada a 5 anos de prisão por corrupção

É a primeira decisão entre 11 acusações de corrupção contra a líder deposta após um golpe militar em 2021; soma das sentenças resulta em prisão perpétua

Por Da Redação 27 abr 2022, 09h34

Um tribunal de Mianmar, que agora é controlado pelos militares que governam o país, condenou Aung San Suu Kyi a cinco anos de prisão nesta quarta-feira, 27. A líder deposta foi considerada culpada no primeiro dos 11 casos de corrupção que ela enfrenta.

Ganhadora do Prêmio Nobel e líder da oposição de Mianmar ao regime militar, Suu Kyi é acusada de pelo menos 18 crimes, cujas penas máximas somadas resultam em quase 190 anos de prisão (ela tem 76). Ou seja, eliminam qualquer chance de um retorno político.

Suu Kyi ainda pode apelar a decisão.

Ela foi líder de Mianmar por cinco anos durante um curto período democrático, antes de ser forçada a deixar o poder após um golpe de estado pelos militares em fevereiro de 2021. O exército governou a ex-colônia britânica por cinco das últimas seis décadas.

Não ficou claro se ela seria transferida para uma prisão para cumprir a sentença. Desde que foi deposta, ela está detida em um local não revelado, em espécie de prisão domiciliar.

A condenação gira em torno de acusações de que Suu Kyi aceitou propina – 11,4 kg de ouro e pagamentos em dinheiro, totalizando US$ 600.000 – de seu protegido, Phyo Min Thein, o ex-ministro-chefe da cidade de Yangon. Depois, ele veio a tornar-se seu acusador.

Segundo a ex-líder de Mianmanr, as acusações são “absurdas”. Ela nega desde denúncias sobre violações de leis eleitorais e de segredos de Estado, até sobre incitação e corrupção.

Continua após a publicidade

+ A marcha contra a tirania em Mianmar

Phil Robertson, vice-diretor da Ásia da ONG Human Rights Watch, com sede em Nova York, disse que o exército busca uma sentença de prisão perpétua.

“Destruir a democracia popular em Mianmar também significa livrar-se de Aung San Suu Kyi, e a junta não está deixando nada ao acaso”, declarou Robertson.

Mianmar está em turbulência desde o golpe. A repressão de protestos em todo o país levou a dezenas de milhares de prisões e mortes. Segundo as Nações Unidas, muitas pessoas foram torturadas e espancadas, configurando crimes contra a humanidade.

A comunidade internacional impôs sanções aos militares e considerou os julgamentos de Suu Kyi ilegítimos. Os militares rejeitam as críticas estrangeiras como interferência.

Nay Phone Latt, ex-funcionário do partido de Suu Kyi, disse que as decisões judiciais são temporárias, porque o regime militar não durará muito.

“Não reconhecemos as decisões, a legislação ou o judiciário da junta terrorista”, disse Latt, que pertence ao governo paralelo de Unidade Nacional, que declarou uma revolta popular contra o regime militar. “Isso não vai durar.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)