Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Suspeito de preparar atentado contra polícia é preso em NY

José Pimentel é simpatizante da Al Qaeda e se inspira em figuras radicais do Islã

Um simpatizante da rede terrorista Al Qaeda foi preso no sábado, em Nova York, no momento em que preparava um atentado contra a polícia e membros das Forças Armadas americanas, anunciou no domingo à noite o prefeito da cidade, Michael Bloomberg.

José Pimentel tem 27 anos, é de origem dominicana e tinha se convertido ao Islã. Ele pretendia utilizar bombas contra viaturas de polícia, agências dos correios e contra militares que retornam do exterior, indicou Bloomberg durante uma entrevista coletiva à imprensa.

O prefeito chamou o acusado de “lobo solitário”, sem ligação com grupo algum, movido pelo ressentimento contra as tropas americanas no Iraque e Afeganistão, e inspirado pela propagadanda da Al Qaeda. “Poderia ter matado muitas pessoas”, declarou, antes de recordar que pelo menos 13 complôs terroristas contra Nova York foram descobertos desde os ataques de 11 de setembro de 2001.

Inspiração – O comissário de polícia Raymond Kelly disse que Pimentel é cidadão americano e seguia o clérigo radical Anwar al-Awlaqi, morto em um ataque dos EUA este ano. “Ele falou em mudar seu nome para Osama Hussein, para homenagear seus heróis, Osama bin Laden e Saddam Hussein,” disse Kelly.

Kelly afirmou que Pimentel lia a revista online de Awlaqi, incluindo o artigo Como fazer uma bomba na cozinha da sua mãe. O comissário considerou que a motivação de Pimentel para tentar cometer os atentados foi a eliminação de Anwar al-Awlaqi. Suspeito de envolvimento em diversos ataques nos Estados Unidos e de recrutar americanos para a sua causa, Awlaqi foi morto em um ataque aéreo no Iêmen em setembro.

Bombas – De acordo com chefe de polícia, Pimentel foi vigiado por dois anos e havia fabricado nos últimos meses três bombas caseiras em seu apartamento, depois de comprar os componentes em vários sites. As bombas, no entanto, não estavam completamente terminadas no momento da prisão.

“Ele falou de matar militares dos Estados Unidos que retornam do Iraque e Afeganistão, em particular do Exército e dos Marines. Mencionou bombardeios a agências dos correios nos arredores de Washington Heights e carros de polícia na cidade de Nova York, assim como a uma delegacia de polícia de Nova Jersey”, disse o chefe de polícia. As autoridades explicaram que decidiram atuar no sábado para evitar riscos.

(Com agência France-Presse)