Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Suécia arquiva acusações de estupro contra Julian Assange

Investigação que foi reaberta após a prisão do fundador do Wikileaks em abril não pôde ser concluída por enfraquecimento das provas

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 19h35 - Publicado em 19 nov 2019, 11h48

As autoridades suecas anunciaram nesta terça-feira, 19, o arquivamento da investigação sobre uma acusação de estupro contra o fundador do WikiLeaks, o australiano Julian Assange.

A vice-diretora do Ministério Público sueco, Eva-Marie Persson, justificou a decisão dizendo que as “evidências foram consideravelmente enfraquecidas” devido ao tempo decorrido desde os acontecimentos há 9 anos. “Em uma situação como essa, a investigação deve ser descontinuada, e foi isso que aconteceu”, afirmou.

A promotoria da Suécia começou a investigar o caso após duas mulheres terem denunciado que foram abusadas sexualmente por Assange, quando o australiano estava de passagem pela capital Estocolmo em 2010.

Assim que a Suécia pediu sua prisão para as autoridades britânicas em 2012, Assange recebeu asilo político do Equador e se refugiou na embaixada equatoriana no Reino Unido.

Morou por sete anos na representação diplomática quando, em abril deste ano, o presidente do Equador, Lenín Moreno, revogou o asilo e entregou o australiano à autoridades em Londres. A Justiça britânica o sentenciou a 50 semanas de prisão por não pagar uma fiança em 2012.

Continua após a publicidade

Assim que Assange foi expulso da embaixada e preso pelos policiais, a Suécia reabriu as investigações que estavam congeladas desde 2012.

O fundador do Wikileaks atualmente está preso pela polícia londrina aguardando o julgamento de extradição para os Estados Unidos, onde enfrenta acusações de conspiração e espionagem por ter invadido computadores do governo e ter publicado informações confidenciais no WikiLeaks em 2010.

Apesar de ainda não ter sido indiciado formalmente, outra acusação que pesa sobre Assange é a de ter roubado os e-mails da democrata e candidata à Presidência Hillary Clinton em 2016. Alguns democratas acusam o jornalista de usar as informações para sabotar a campanha, mas o australiano nega essas afirmações.

A audiência que decidirá se Assange será deportado para os Estados Unidos ocorrerá no início de 2020.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)