Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Equador diz que gastou US$ 5,2 mi com segurança de Assange em embaixada

Fundador do 'Wikileaks' se refugiou por sete anos na representação diplomática do país sul-americano em Londres

Por Da Redação 24 Maio 2019, 02h34

O ministro das Relações Exteriores do Equador, José Valencia, afirmou, nesta quinta-feira 23, que o governo do país gastou 5,2 milhões de dólares (equivalente a cerca de 12,8 milhões de reais) para proteger o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, durante os sete anos em que o ativista viveu como refugiado na embaixada equatoriana em Londres, no Reino Unido.

Valencia também afirmou que os diplomatas que trabalham no local selaram os três espaços nos quais Assange passou a maior parte do tempo enquanto viveu na embaixada para proteger seus pertences.

No total, o Equador gastou mais de 6 milhões de dólares durante a estadia de Assange na embaixada. Cerca de 5,2 milhões de dólares foram investidos na contratação de empresas de segurança e para a instalação de equipamentos especiais para proteger o ativista.

Os dados foram revelados pela Controladoria-Geral do Estado (CGE) em um relatório preliminar e confirmados à Agência Efe pelo chanceler. Ainda houve, segundo Valencia, investimentos realizados antes da chegada de Assange à embaixada em 2012.

Valencia explicou que o Ministério das Relações Exteriores precisou justificar, como determina a lei, como o dinheiro estava sendo usado na embaixada. Um dos requerimentos que deveria ser cumprido é a realização de licitação para a contratação das empresas de segurança, processo que será analisado pela CGE.

O presidente do Equador, Lenín Moreno, decidiu retirar o asilo político de Assange em abril. O ativista foi entregue às autoridades do Reino Unido e enfrenta dois pedidos de extradição, um da Suécia e outro dos Estados Unidos, onde foi acusado formalmente hoje por divulgar centenas de milhares de documentos secretos.

Continua após a publicidade

Sobre a operação realizada pela Promotoria-Geral do Estado em Londres a pedido do Departamento de Justiça dos EUA para confiscar bens de Assange, Valencia disse que o Equador está respeitando o devido processo jurídico e que nenhum diplomata do país tocou nos objetos deixados pelo ativista no local.

“As salas foram seladas porque eram espaços próprios para o uso de Assange. Nesses locais – um dormitório e dois escritórios – nem sequer havia câmeras instaladas”, garantiu o chanceler.

Segundo o ministro, os diplomatas tiraram fotos de como o ativista deixou os cômodos antes de ser preso no Reino Unido.

A operação ocorreu, de acordo com Valencia, seguindo a Convenção Interamericana de Assistência Penal. Os EUA, como signatários do tratado, podem pedir a outro país, neste caso o Equador, que realize certos procedimentos para a apreensão de objetos.

“Esse é um ‘modus operandi’ completamente normal, que já ocorreu em múltiplas circunstâncias, que o Equador muitas vezes também pede a outras procuradorias”, disse o ministro.

Agora, os promotores decidirão se os pertences do fundador do WikiLeaks têm relevância jurídica necessária para serem enviados aos Estados Unidos.

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)