Clique e assine a partir de 8,90/mês

Sochi: Polícia russa chicoteia integrantes do Pussy Riot

Milícia cossaca convocada por Vladimir Putin para ajudar na segurança dos Jogos de Inverno reprime violentamente uma apresentação de protesto

Por Da Redação - 19 fev 2014, 16h29

Integrantes da banda punk Pussy Riot foram espancadas durante uma apresentação de protesto em Sochi. Um vídeo [confira abaixo] postado na internet nesta quarta-feira mostra ao menos seis membros da banda levando socos, pontapés e chicotadas dos membros da milícia cossaca, que está ajudando na segurança dos Jogos de Inverno no balneário russo.

Acompanhados por jornalistas, as ativistas chegam a uma área no centro de Sochi, vestem máscaras de esqui e começam uma performance, cantando a música “Putin Will Teach You Love the Motherland” (Putin vai te ensinar a amar a pátria, em tradução literal). A música, em inglês, é mais uma crítica direta ao presidente russo Vladimir Putin.

Leia também

Integrantes do Pussy Riot são libertadas em Sochi

Em NY, membros do Pussy Riot reforçam críticas a Putin

Canção da banda Pussy Riot expõe intolerância russa

Instantes depois, as forças de segurança abordam o grupo e começam a espancá-los. Um fotógrafo que acompanhava a ação também é vítima de chicotadas e empurrões. Uma das líderes da banda, Nadezhda Tolokonnikova, é atirada ao chão e leva uma série de chibatadas. Os cossacos também puxam os cabelos das ativistas e jogam seus instrumentos no lixo. A polícia russa chega ao local minutos depois, quando a confusão já estava no fim. Ninguém foi detido. (Continue lendo o texto)

Continua após a publicidade

Vídeo: Integrantes do Pussy Riot são espancados em Sochi

Nesta terça, Nadezhda e Maria Alyokhina, líderes da banda, permaneceram algumas horas detidas em uma delegacia. As ativistas não foram indiciadas por nenhum crime e, segundo a polícia russa, foram levadas a delegacia para prestar depoimento como testemunhas em um caso de furto registrado no hotel onde estão hospedadas. Além delas, outras sete pessoas que estavam detidas pelo mesmo motivo também foram liberadas sem indiciamentos criminais.

“Chegamos aqui no domingo e nós estamos sendo detidas o tempo todo. Mesmo quando nós estávamos dirigindo o nosso carro e andando na rua. Eles estão procurando por quaisquer razões para nos prender”, disse Nadezhda na saída da delegacia. Ela também disse que esta foi a terceira vez que as duas foram presas, pois tinham sido detidas durante algumas horas na segunda e no domingo.

Continua após a publicidade
Publicidade