Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sobrinho do papa é ameaçado de morte na Argentina: “Vou te decapitar”

Walter Sívori, de 45 anos, trabalha como sacerdote na cidade de La Plata. O agressor também teria expressado o desejo de assassinar Francisco

Por Da Redação
19 Maio 2015, 18h00

Um sobrinho do papa Francisco vem recebendo seguidas ameaças de morte por telefone. Walter Sívori, de 45 anos, é sacerdote em uma paróquia na cidade argentina de La Plata, próxima a Buenos Aires. “Vou te decapitar. Se não for você, será o seu tio”, disse o agressor em um dos telefonemas. Segundo o jornal La Nación, as autoridades argentinas concordaram nesta semana em garantir proteção policial a Sívori.

Leia também:

Vaticano reconhece a Palestina como Estado

Raúl Castro visita papa e promete voltar à Igreja Católica

Continua após a publicidade

Inicialmente, Sívori não se importou com as ameaças, tratando-as apenas como trotes. Com o aumento da frequência das ligações, porém, o religioso procurou as autoridades. Além de deslocar um contingente para proteger o sacerdote, a polícia tem analisado as comunicações telefônicas e imagens das câmeras de segurança para determinar se houve algum movimento anormal nas imediações da paróquia.

Sívori telefonou para o papa Francisco para informá-lo sobre as ameaças de morte que recebeu. O pontífice tranquilizou o sobrinho e pediu para que ele não levasse as ligações a sério. De acordo com Sívori, Francisco disse que está “acostumado a receber ameaças” e ressaltou que fez “coisas na Igreja que podem incomodar mais de uma pessoa”.

Leia mais:

Papa ordena abertura de arquivos do Vaticano sobre ditadura argentina

Italiano desliga telefone duas vezes na cara do papa por achar que era trote

Histórico de ameaças – A imprensa italiana reportou, em novembro de 2013, que a máfia poderia tramar o assassinato do pontífice por estar descontente com as iniciativas para combater a corrupção dentro e fora da Cidade do Vaticano. Em agosto do ano passado, a mídia internacional levantou a possibilidade de o papa figurar entre os alvos do grupo terrorista Estado Islâmico (EI). Os jihadistas considerariam Francisco um “portador de falsas verdades”.

Continua após a publicidade

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.